Tiny little steps – Amanda Arruda
Da rotina

Tiny little steps

Foto: k-cady

Foto: k-cady

Bem, gente. Aqui estou, mais de um mês depois, atualizando esse cantinho. Eu nem sei como ainda tenho visitas, abandonando tanto esse espaço como eu abandono, mas creiam: life is not easy e isso é na maior parte do tempo. E, de alguma maneira, 26 anos de vida aqui ainda não me ensinaram como faz para não desaparecer quando as coisas ficam confusas ou difíceis. Acontece, gente, que eu tinha um plano. Era um plano curto, mas era um plano. E agora eu tenho, bem, nada. Tá, não nada. Mas meu plano, gente. Meu plano se foi e nem ao menos eu posso fazer um plano para retomar o outro plano porque, no fim das contas, eu nem sei se ele era lá essas coisas.

Vocês entendem? Enquanto a gente está no olho do furacão, é fácil se manter no que você imaginou que era o certo porque você já está lá, entende? Você está lá, as coisas estão caminhando de acordo com o planejado e haverá um retorno no fim – se era o que se realmente necessitava, não importa. Existe o plano e isso nos dá segurança de levantar todos os dias e deal with shit. Só que agora, que eu tenho o total de 0 ideias de como seguir com a minha vida, é tudo mais complexo. Não quero qualquer plano, agora. Eu quero um plano legal, que faça sentido com a pessoa que eu sou hoje, que realmente me leve para onde eu quero ir.

Só que eu não sei para onde eu quero ir. Eu não tenho mais certeza sobre quem eu sou. Eu não faço ideia de quais são os meus sonhos. E, o pior de tudo, eu acho que eu não consigo chegar lá.

Eu não me considero uma pessoa de baixa autoestima. Eu sei meu valor, mas, gente? Será que podemos mesmo ter a vida que sonhamos? Escrevo esse texto no meu notebook, sentada em um sofá extremamente desconfortável, tendo como fundo o vazio imenso que é a nossa sala de jantar (nossa mesa ainda não chegou, mas pelo menos JÁ A COMPRAMOS). E fico me perguntando se eu realmente posso transformar os meus sonhos em realidade, uma vez que nem ao menos eu sei o que eu quero nessa vida. Já não era para eu estar rica, famosa ou ter ganho algum prêmio? Não é isso que se faz hoje em dia?

Vocês não sentem uma canseira imensa quando precisam dar um rumo na vida de vocês? Porque eu estou sentindo. Inclusive, escrever esse post já está me dando dor de cabeça. São tantas peças para juntar, tantas coisas a serem descobertas antes disso que estou estafada só de pensar em todo o passo a passo. Mas me exaure muito mais pensar que, enquanto um decisão não for tomada, terei que seguir no melhor estilo deixa-a-vida-me-levar, aceitando o que eu recebo e nada muito além disso. Isso, eu sei, não é meu estilo e nunca será.

Então, o que eu queria dizer e que esse texto muito confuso com certeza não repassou é: estou viva e vivendo um passo de cada vez. Vou dividir tudo em pequeníssimas tarefas e me descobrir um pouquinho mais a cada dia. Aqui dentro está tudo uma bagunça mas, por sorte, meus valores são os mesmos. Pelo menos, tenho um ponto de partida.

 

Previous Post Next Post

You Might Also Like

6 Comments

  • Reply Larissa 18 de outubro de 2016 at 10:45

    Oi, Amanda! Eu acabei de completar 29, e tudo o que senti foi o peso da idade. Não sei se acontece o mesmo com você, mas parece que existe uma cobrança interna para que nossa vida esteja encaminhada antes dos 30 anos. É quase uma “obrigação” ser bem-sucedido, ter um emprego legal, ter uma casa de pinterest, ter um relacionamento de instagram, ter uma vida linda e feliz. Se isso não acontece, é como se tudo o que fizemos até agora foi errado, como se nossa vida não tivesse sentido, como se fôssemos os maiores fracassados. Espero que sua crise passe logo, assim como espero que sua sala de jantar fique pronta logo! Beijos

  • Reply Marilda Blasse 19 de outubro de 2016 at 12:40

    Amanda todos temos nossos altos e baixos, em diversos aspectos de nossa vida, a vezes a gente se perde e nunca mais acha os caminhos ja trilhados de volta, as vezes os achamos mais rapidos do que procuramos, tudo faz parte, do amadurecimento e da vida em geral. Não se sinta mal por isso e não permita nenhum tipo de pensamento triste, apenas pense que é uma fase e vai passar, pois com toda certeza, pior do que não saber onde foi parar seus sonhos, se você vai conseguir concretiza-los , com certeza é saber que em algum momento de sua vida você vai ter de parar de sonhar obrigada por algum motivo que seja uma força maior que você….acredito fielmente que sonhar é o que nos motiva, concretizar os sonhos é uma benção, e mesmo que elas não venham sempre(as bençãos) elas sempre dão o ar da graça vez ou outra não é verdade?!

  • Reply Camila Faria 24 de outubro de 2016 at 16:35

    Oi Amanda, acho que tá todo mundo nesse mesmo barco, à deriva na tempestade, sem perspectiva do tempo melhorar. Dureza. Por mais conformista que isso pode parecer, acho que o segredo (para mim) é viver um dia de cada vez, sem pressa e sem se comparar com o coleguinha do lado (que tem a mesma idade que você e que parece estar com a vida resolvidíssima). Um beijo querida! :*

  • Reply Jade Amorim 6 de novembro de 2016 at 22:41

    Oi Amanda, primeira vez que entro aqui e me deparo com um texto desses que me identifico horrores. Eu tinha muito essas ansiedades, essas frustrações de as coisas não estarem dando certo, a preocupação com o futuro. Principalmente por agora que eu to pra me formar, e tanta gente chega e me pergunta o que eu vou fazer depois… gente, eu não sei! rs
    Aprendi que pra ficar tranquila eu passei a tirar um tempo do meu dia para cuidar de mim, sabe? Um dia de cada vez, um plano de cada vez, sem desespero. Coisas dão certo, dão errado… acontece!

    Beijos.

  • Reply Pablo 30 de dezembro de 2016 at 08:56

    Amanda… não sei dizer pra você o porque disso estar acontecendo, mas… é uma coincidência do caramba termos a mesma idade e, pelo que você escreve, estarmos passando por coisas parecidas.

    Eu tenho me sentido sem rumo e sem chão durante 75% do tempo. As tristezas me consomem de uma forma que chego a perder o ar. Aquele tipo de tristeza em que a gente já não consegue nem chorar mais, sabe?
    É exatamente por isso que estou também tão afastado do meu blog. Não sei lidar mais com nada. Vejo os dias passarem por mim e só consigo sentir o peso (cada vez maior) em minhas costas. O peso de não ter conquistado nada na vida ainda, o peso de sequer ter tido um relacionamento que possa ser chamado assim. Sinto que tenho uma existência vazia, num buraco onde me debato contra as paredes.

    Espero, do fundo do coração, que as coisas esse ano sejam diferentes. Já busquei ajuda psicológica e espero que me ajude.
    Me perdoe por desabafar por aqui, mas de alguma forma encontrei conforto em suas palavras, e saber que existem pessoas por aí que também podem sentir o que sinto, me faz sentir incluso e afasta um pouquinho esse sentimento horrível de solidão que me acompanha todos os dias.

    Um forte abraço, e muita força pra nós! :.(

    • Reply Amanda 11 de janeiro de 2017 at 19:18

      Pablo, desculpa a demora para te responder. Amigo, te entendo e espero que você procure ajuda para se sentir melhor também. Sua vida não é vazia, tenho certeza que tudo o que você precisa está dentro de você. Obrigado pelo seu comentário e muita força para nós dois!

    Leave a Reply