Instagrão

  • emaranhado de um dia bonito
  • coisas bonitas aquecem o corao
  • Quando c faz uma pizza de frigideira com massa fithellip
  • t trampando mas o grande amor da minha vida hellip
  • that was good
  • Mais um dia em que Amanda descobre que saiu todahellip
  • Hoje  dia do irmo e gostaria de aproveitar ahellip
  • Quando a sua cabeleleira arrasa no corte   hellip
Explore

Cachos

Cabelo

Como encurtar o tempo da transição capilar

13 de junho de 2017

Foto por: nearty

Transição capilar é um saco e disso eu tenho certeza que ninguém duvida. E, como toda situação inconveniente, o melhor que pode acontecer é a gente conseguir encurtar a duração dela, né não? Pois bem, eu tive o que podemos chamar de uma transição curta – ou, pelo menos, para o padrão do que eu vejo por aí, que geralmente chega a 2, 3 anos. Acredito que todo o processo durou pouco menos de 1 ano e meus cachos voltaram com força total e muita saúde. Assim sendo, queria dar algumas dicas para ajudar vocês a encurtarem esse momento tão incômodo na vida de uma cacheada. Segura!

  1. Não use chapinha durante a transição. EU SEI, gente. O cabelo fica uma porcaria, aquelas duas texturas são coisa do demonho e você se sente um resto de feira triste. EU SEI, apenas lembrem que eu passei por isso. E passei por isso SEM CHAPINHA. O porquê? Porque quando você passa a chapinha no cabelo com frequência você machuca o seu cabelo e bagunça o fluxo dos seus cachos. Eles começam a ficar esticados, como quando você faz uma química no cabelo e aí que bela bosta cê tá fazendo, né? A transição não vai acabar nunquinha pra você enquanto você estiver metendo a chapinha no cabelo, então faz um favor pra você mesma e guarda essa bonita lá no fundo do guarda-roupa, tá?
  2. Não precisa fazer bc, mas também não tenha medo da tesoura. Então, gente, eu não tenho coragem para um big chop de jeito nenhum, então compreendo bem que não quer ver essa ideia nem pintada de ouro, apesar de ser a maneira mais fácil de se livrar de uma transição. Entretanto, se você quiser passar mais rápido por esse processo, você vai precisar SIM ir cortando as partes do cabelo que têm química. Eu cortava de 3 em 3 meses  e meu cabelo ficava pouco acima do ombro todas as vezes. Desapeguei de crescimento durante a transição, porque não dá pra ter tudo, né gente? Além do quê aquele cabelo com química só atrapalha todo o processo, tornando mais complicado arrumá-lo diariamente (sem contar que, geralmente, o cabelo com química tá maltratado, logo o aspecto dele nem é dos melhores). Ou seja: faz o olx e desapega, miga. Cabelo cacheado curto não só pode, como fica lindo! Inclusive, se quiser se inspirar, toma aqui uns perfis do instagrão de cabelereiros especialistas em cacheadas maravilhosos para você suspirar: @brunodantte (o salão dele fica no Rio, então sambem, cariocas); @rodrigovizu (esse é a minha paixão mais pesada do mundo dos cabelereiros de cacheadas e um dia ainda vou cortar com ele – fica em SP </3); @espaçocachoacacho (esse salão fica em Recife e é de uma amiga linda que passou por todo esse processo e resolveu ajudar as cacheadas a se descobrirem. conheçam <3).
  3. Descubra o que seu cabelo está precisando e o trate. Para ficar mais fácil de lidar e, também, para que seu cabelo renasça firme e forte, você precisa cuidar direitinho dele, né? Organize um cronograma capilar, comece uma rotina low ou no poo (inclusive, indiquei uns produtinhos MARA para quem quer seguir low como eu, confere aqui), abuse daqueles sábados com o cabelo emplastrado de máscara (euzinha sempre). Seu cabelo vai agradecer e crescer muito mais bonito – além de se tornar muito mais fácil de lidar no dia a dia.
  4. Cuidado com as químicas. Mesmo que não sejam químicas de transformação, como é o caso dos alisamentos, ela podem bagunçar seus cachos. Colorações, principalmente aquelas que envolvem descolorações no processo, podem atrapalhar DEMAIS a maratona que é a transição. Sempre interessante evitar, se possível.
  5. Incentive o crescimento do seu cabelo. Observe sua alimentação, vá à uma dermatologista, veja se você precisa de suplementação de vitaminas, use um shampoo que ajude seu cabelo a crescer. Afinal de contas, quanto mais rápido seu cabelo crescer, mais rápido terminará sua transição. Eu, particularmente, gostei bastante do Shampoo Bomba (tampa vermelha) da Salon Line, achei que ele deu uma incentivada no crescimento do cabelo – usei ele recentemente, pois na época da minha transição ele nem existia ainda. O importante é dar as armas para que seu cabelo se desenvolva da forma mais saudável possível – e isso envolve tanto fatores internos, como nutrição, quanto externos, como o shampoo e os tratamentos que você faz. Não foque tanto em quantos cm seu cabelo vai crescer num mês (não pira, miga), mas em dar as condições dele crescer forte e saudável.
  6. Keep calm e não faz drama. Descubra maneiras de lidar com o seu cabelo enquanto ele está transicionando, para que ele não se torne a maior fonte de tristeza e desencanto da sua vida. É difícil? É. É a coisa mais desgraçada do mundo? Não mesmo. Longe de se fazer de coitada, a gente vai resolvendo o problema como dá e foca no resultado, né isso? Pois bem! Penteados, faixas, turbantes, texturizações, cremes especiais para transição: you name it. Vá testando e usando o que quer que te ajude e que não atrapalhe o processo de transição. Fiz um vídeo contando como foi meu processo de transição e também dividindo hacks para quem quer passar por isso mais de boas, você pode conferir e também pesquisar a experiência de outras pessoas. Ninguém passa pelo mesmo processo – até porque somos não apenas pessoas diferentes, mas temos cabelos diferentes – então é sempre legal escutar várias opiniões!

É isso, galera! Quem tiver dicas, coloca aqui nos comentários e quem tiver dúvidas, também! Vamos se amar e se ajudar. ♥

Cabelo Feminices

Meu kit completo low poo para cabelos cacheados

15 de abril de 2017

Cabelo é uma coisa séria, né? Capaz de subir nossa autoestima ou querer fazer a gente se encolher debaixo da cama. Depois de um ano e alguns meses de transição (não sou capaz de dizer com certeza quando foi que o último pedaço de cabelo com química saiu do meu sistema) e muita tentativa e erro, consegui elencar aqueles produtos que são a diferença entre um good hair day e um dia em que o cabelo não ajuda em nada. Observem que esse post não apenas aponta opções para quem tem cabelo cacheado e faz a rotina low poo como eu, mas também os produtos que amam meu cabelo e são amados por ele. Produtos com os quais eu tenho um caso de amor real.

Resolvi compartilhar com vocês porque eu sei que esse processo de descobrir o que funciona pro nosso cabelo é trabalhoso e lento e se a gente puder cortar caminho já ajuda, né? Levem em consideração que meu cabelo é um 3A/3B, com umas partezinhas 2C. Ou seja: ele tem umas partezinhas que são mais chatinhas pra definir, mas no geral ele faz seus próprios cachos sozinho. Ele também pesa fácil, então a maioria dos produtos que ficam no meu cabelo (leave-ins, óleos e gels) não podem ser muito consistentes, pois inevitavelmente acabarão com meu volume. Também tenho pouco cabelo, então controlar volume não está na minha agenda, já que é muito difícil ele ficar fora de controle sem que eu tenha feito algo para incentivar isso. Ah, eu tenho luzes, então algumas vezes o cabelo simplesmente ignora que é mais fino e quer todos os óleos da vida. Pois é, mas eu não disse que nada disso fazia sentido, eu disse? Isso posto, vamos aos produtos que amo e vou defender, atualmente:

Shampoo Lola Cosmetics Curly Wurly – uma média de R$25

Esse é o shampoo que, definitivamente, menos resseca o meu cabelo. Como cacheada, na verdade, não gosto muito de nenhum shampoo, pois não noto muita diferença na minha vida depois de usar eles (a não ser o óbvio, que seria a limpeza dos fios – e isso quase todos conseguem fazer com decência). Entretanto, o Curly Wurly pelo menos não resseca o meu cabelo, o que já é um ganho, não é mesmo? Ele é um shampoo branco, então já dá pra entender que há várias emoções hidratantes envolvidas naquele frasquinho. Meu cabelo geralmente não se dá bem com os produtos da Lola, que costumam pesar demais já que geralmente são bem ricos em óleos, e até esse shampoo é uma pedida ruim quando o cabelo não aguenta mais nutrição, mas no geral (e principalmente depois das luzes) ele ajuda bastante a manter o meu cabelo maleável. É liberado para low e no poo, indico para quem tem cachos 3B pra frente (estruturas 2C/3A podem pesar).

Condicionador L’oreal Élseve Óleo Extraordinário Nutrição Intensa – uma média de R$15

Indicação de uma amiga, usei e descobri que esse condicionador ajuda demais a desembaraçar os fios durante o banho e dar aquela fechadinha nas cutículas que a gente respeita. Tem um precinho amigo e é relativamente fácil de achar, então se é praticidade e um bom custo/benefício que você está procurando, essa é a pedida. É liberado para low e no poo.

Condicionador Novex Santo Black Poderoso – uma média de R$12

Bem como a máscara deles, o condicionador da linha Santo Black Poderoso tem o poder de desfazer o nós e trazer aquela dose extra de “desmaio” que cabelos como o meu necessitam para serem felizes. O cheirinho é ótimo e o cabelo fica super fácil de lidar depois dele. É meu primeiro frasco desse produto mas, sem sombra de dúvidas, vou comprar outro quando acabar porque bons condicionadores não são fáceis de achar e esse ganhou meu coração. É liberado para low e no poo.

Óleo Reparador L’oreal Élseve Óleo Extraordinário Nutrição Intensa – uma média de R$ 30

Descobri esse óleo depois de passar um tempão usando um que não era liberado pra low poo (e meu cabelo pesando sem eu saber o que era, vê mesmo!). É levinho, levinho e o cabelo absorve ele direitinho. Gosto de misturar nos gelzinhos, quando uso, para evitar o ressecamento das madeixas. Também uso quando vou “desgrudar” os cachos uns dos outros, para dar uma acalmada no frizz. Liberado para low poo.

Leave in Yenzah Sou + Cachos Suave – uma média de R$30

Eu tenho pouco cabelo e ele pesa muito fácil, então os creminhos têm que ser sempre super leves. Esse é ótimo, pois ajuda a definir os cachos sem acabar com meu volume natural. O cabelo fica macio e com aquela carinha de saudável, adoro! Liberado para low poo.

Creme de Pentear Natura Sou Cachos Modelados – uma média de R$12

Outro favorito de todos os tempos, acabei o meu até a última gotinha (por isso ele não aparece na foto, haha). E, no caso, vocês podem levar isso literalmente, pois a embalagem dele deixa que façamos isso. Super levinho, ele deixa o cabelo ser ele, mas dá aquela mãozinha para dar forma e vida aos cachos. Vou comprar outro assim que possível e quero testar outros produtos dessa mesma linha. É liberado para low poo.

Ativador de Cachos Maionese Capilar #todecacho Salon Line Definição Divina – uma média de R$12

Esse é para os dias que eu escolho sair com os cachos BEM definidinhos. Gente! Esse produto definitivamente entrega o que promete. Toda vez que uso essa maionese, meus cachos definem de um jeito que eu nunca vi antes E duram o dia inteiro bem bonitinhos. Não posso opinar sobre day afters, porque meu cabelo simplesmente não trabalha com day after (a não ser que eu molhe ele todo e faça o trabalho de amassamento e definição dos cachos all over again).  Mas em quem realmente tem day after, ele deve aumentar a quantidade de dias sem precisar lavar, pois ajuda a criar cachos super bem formados. Só um porém: dos cremes de pentear pontuados aqui, esse é o que pesa mais no cabelo. Tem que dosar a quantidade e ver como o cabelo responde. É liberado pra low poo.

Gel Líquido Salon Line #todecacho Day After – uma média  de R$15

Ele é indicado para dar aquela salvada no cabelo no day after, mas uso ele no dia a dia mesmo. Acho ele mais levinho que o Relaxante Natural, da Capicillin. Sempre uso com um pouquinho de óleo, porque ele resseca um bocadinho (como todos que já usei), mas das opções que testei, ainda é meu gelzinho favorito. Liberado para low e no poo.

Creme de Limpeza Light Poo L’oreal  Óleo Extraordinário – uma média de R$35

ADORO esse produto. Tanto é que acabei o que eu tinha e agora preciso esperar um outro co-wash que eu estou testando acabar para comprar um novo frasco (e por isso ele não aparece na foto, tá?). Mas sério, meu cabelo se dá tão bem com esse troço que nem sei o que dizer. Não pesa nadinha nos meus fios e deixa eles super modeladinhos e com cachos lindos. A tristeza é o preço, né? Bem salgadinho, na minha opinião. A ideia seria que ele fosse um co-wash, mas pelo o que li por aí, ele tem um silicone insolúvel em sua composição, o que faz com que ele deixe resíduos no cabelo na sua ‘limpeza’. Ou seja: não funciona exatamente como um co-wash. De qualquer maneira, no meu cabelo, ele não pesa nada e como geralmente eu lavo com ele no máximo dois dias seguidos e, em seguida, lavo com um shampoo para low poo, não há muito acúmulo. O meu cabelo se deu melhor com ele do que com a versão dele para cabelos cacheados e ondulados, que eu não senti que hidratou tanto. É liberado para low poo.

Máscara Novex Santo Black Poderoso – uma média de R$25

Essa é uma recente descoberta da minha nova fase de cabelos com luzes. Estava precisando uma máscara para derreter o cabelo e, gente, essa é a máscara. Com um custo/benefício MARAVILHOSO (R$25 por uma máscara de 1kg, gente!), ela cumpre o que promete e nutre o cabelo direitinho. Ele ficar super macio e fácil de lidar, já é uma favorita das hidratações de fim de semana. É liberada para no e low poo.

Máscara de Reconstrução Inoar Doctor – uma média de R$45

Outra recente descoberta foi essa máscara da Inoar. Como estou entrando devargazinho nesse processo de ficar loira (na verdade, pretendo ter apenas luzes maravilhosas, não ficar completamente loira), é sempre bom investir em boas máscaras para devolver a maravilhosidade do cabelo que, claro, o processo de descoloração inevitavelmente rouba.  A máscara é incrível, tem um cheirinho bem bom e tem ajudado bastante meu cabelo a se recuperar das luzes (e olha que meu cabelo nem ficou detonado nem nada, só sofreu um leve estiramento). O valor é meio salgadinho, mas o resultado é tão bom que vale à pena. É liberada para no e low poo.

Máscara Térmica Sou Dessas Pode Vir Quente Que Eu Estou Podendo – uma média de R$40

Para quem tá precisando de uma máscara de hidratação para amar, digo apenas: se joga nessa, miga. Não conhecia a marca Sou Dessas e peguei essa máscara na loja porque parecia interessante a proposta (e porque tinha acabado de dar luzes no cabelo e precisava de algo porreta para manter o cabelo saudável). Ela esquenta sozinha quando a gente passa no cabelo (tem extrato de pimenta) e dá pra sentir um calorzinho nos fios enquanto a gente espera para enxaguá-la (mas nada incômodo). Das máscaras que eu tenho, essa é a que dá um efeito mais notável no meu cabelo. Os fios ficam macios, brilhantes e visivelmente saudáveis. É amor real, amor verdadeiro. Pelo o que eu consegui checar (não achei nenhum proibidão na fórmula, mas o produto não está cadastrado no app que eu checo), a máscara é liberada para low poo.

Ufa! Esses são meus favoritos atuais, mas estou sempre testando coisas novas no cabelo, pois curiosa (não posso ver uma novidade que tenho que checar pra ver se é melhor do que o que eu já uso). Portanto, se vocês tiverem dicas para me dar de produtíneos também, deixem aí nos comentários, que estou sempre aceitando. E se tiverem alguma pergunta sobre os produtos que pontuei acima, perguntem também, que eu tô aqui pra isso. 😉

 

Cabelo Da rotina

7 meses de transição capilar e minha vida so far

25 de janeiro de 2016

7 meses de transição

Tanta gente chegou aqui no blog através do meu guia rápido da transição capilar que eu entendi que esse era um assunto que interessava quem estava me lendo aqui – o que, pra mim, é maravilhoso, já que eu ADORO falar sobre isso e tenho pouquíssimas pessoas ao meu redor que entendem, de verdade, o que eu estou passando. Então decidi que vou postar mais um pouco aqui sobre o meu processo de recacheamento e como está sendo essa minha caminhada (que será longuíssima) rumo aos cachos perfeitos – ou seja, os meus.  <3

A minha última progressiva data do mês de junho, portanto faz aproximadamente 7 meses que eu estou em transição. Não é o maior tempo de transição da história, mas já deu pra pegar alguns macetes e sofrer algumas derrotas. Vou por tópicos, porque quem me conhece sabe que amo listas, mesmo quando não faz sentido usá-las. Eis alguns aprendizados:

  1. É preciso estar certo e preparado para seguir com a transição capilar. Eu já sabia que era isso que eu queria, quando decidi, depois de uma primeira tentativa frustrada, voltar aos cachos. Decidir em prol do nosso cabelo natural, depois que já alisamos e fizemos a bagunça nele, requer um estado de espírito inspirado e uma forte determinação, coisa que a gente não sente o tempo todo. Por isso, o que eu digo pra quem está pensando em começar a transição, mas não tem certeza, é: tenha certeza. Não faça porque todo mundo está fazendo, porque não é FÁCIL. Não é a coisa mais difícil do mundo, obviamente, mas a gente tem que estar de bem com a gente pra conseguir lidar com os dramas do caminho.  Pesquise bastante, leia, converse com pessoas que estão fazendo a transição e, se você sentir que é algo que seu coração quer, vá em frente. Lembre-se que o cabelo é seu, então as decisões também são suas.
  2. O preconceito está em todos os lugares. E você vai ter que aprender a lidar com ele. Sim, muitas pessoas ainda acham que cabelo cacheado é bagunçado, desarrumado, rebelde, ruim e tantos outros adjetivos negativos que se possa dar. E esse tipo de adjetivação vai vir de onde você menos espera e, muitas vezes, de pessoas que você gosta e respeita. Nesse caso, acredito que entrar em pé de guerra com todo mundo não é a solução, porque esse tipo de pensamento é simplesmente algo cultural, que temos que problematizar. Lembra que até pouco tempo eu também achava isso, até alguém problematizar pra mim e eu me desvencilhar desse preconceito? Pois é. O trabalho de quem está em transição é dobrado, porque além de você ter que trabalhar em si mesma, também tem que trabalhar nos outros, questionando as afirmações que eles trazem. Não, meu cabelo não é ruim (inclusive, fez mal a ninguém, até onde eu sei), ele não é mal cuidado (hidrato sempre que lavo e, ao contrário de quando ele passava 3, 4 dias na chapinha, ele está sempre cheiroso) e não é bagunçado (apenas tem um formato diferente do liso, that’s all). Claro, tem gente que não vai entender e com quem não adianta discutir. Com esse tipo de gente, a gente segue a vida, porque, no fim das contas, o que é que essa galera tem a ver com nosso cabelo mesmo?
  3. Talvez você precise fazer uma escova de vez em quando – e não tem problema. Enquanto eu não concordo muito com a técnica de fazer escova no cabelo até ele crescer todo – já que alisar o cabelo com calor, repetidamente, pode machucar os seus cachos – não vejo nenhum problema em fazer uma escova de vez em quando. Convenhamos que o cabelo em transição não está em sua melhor forma, já que eles está parte cacheado, parte alisado. No meu caso, creio que uns quatro dedos de raiz (sem esticar) estão naturais, então, sim, as coisas às vezes não dão certo mesmo. Então, em caso de tenho-um-casamento-pra-ir-e-nada-fica-bom, não fique triste nem envergonhada em fazer uma escova e seguir com a vida. Você não aderiu ao lado negro da força, você não destruiu seus cachos pra toda eternidade – foi só um momento em que sua transição não te ajudou e você precisou de outra solução.
  4. O difusor é o seu melhor amigo. Nada tem me ajudado tanto nesse período de transição quanto o meu difusor. Sério. Então, se você quer ser mais feliz nesse período tão difícil da vida, arranje um difusor pra chamar de seu. A verdade é que é muito difícil fazer com que seus cabelos assumam um forma que não seja liso-esticado quando você está em transição e MAIS DIFÍCIL ainda é fazer com que permaneçam dessa forma. Por isso, o difusor é essencial. Uso assim: passo o finalizador da minha preferência, amasso pra sempre até se formarem onda/cachos e coloco o difusor rapidamente nas mechas, para evitar que as ondas se desfaçam. Não seco completamente, deixo 90% seco (o suficiente para segurar sua forma) e o restante eu seco ao natural. Depois dou uma amassada nos cachos para soltar do molde (geralmente eles ficam rígidos, porque uso gelatina/gel junto com o creme de pentear) e, pronto, tá tudo certo. Difusor: é vida.
  5. Achar o seu produto perfeito não é fácil – mas não é impossível. Cada cabelo interage de um jeito com cada produto, portanto o que deu certo pra sua colega pode não funcionar pra você. Procure se guiar por pessoas que têm um tipo de cabelo parecido com o seu quando for julgar opiniões sobre produtos. O meu cabelo, por exemplo, aparenta ser um 2c/3a (ainda estou esperando ele ficar natural para eu poder opinar com certeza), portanto procuro me guiar por blogueiras e amigas que tenham o cabelo parecido. Além disso, não tenha medo de testar. Ao contrário do que se acredita, o produto não precisa ser carérrimo para ser bom. Você pode, calmamente, ter um resultado sensacional com o seu cabelo com um creme bem baratinho e pelo qual você não dava nada. Os meus favoritos atualmente, por exemplo, são escolhas ‘na média’ e que não levam ninguém à falência (principalmente levando-se em conta que eu não tenho tanto cabelo assim, então não preciso usar tanto produto): o Tô de Cacho, da Salon Line, para cachos 2 A/B/C e 3A e o Redutor de Volume da Capicilin (o laranjinha), que ajuda demais a segurar a definição dos cachos. Ambos têm um valor ok (não lembro exatamente o quanto paguei por cada um, mas acho que ficam na faixa dos R$10 – R$15) e dão super certo comigo.
  6. Condicionador pode ficar no cabelo SIM! Essa foi uma descoberta que MUDOU minha vida. Ao invés de enxaguar todo o condicionador, ao fim da lavagem, comecei a deixar o suficiente para sentir meus cabelos hidratados. É uma coisa bem de toque mesmo, de sensação. Deixo o suficiente para não sentir os cabelos pesados, mas também o que vai deixar os cachinhos hidratados. Boa parte do produto já sai, também, quando eu vou apertando ele com a camiseta, para que ele pare de pingar. O que fica, ajuda a manter os cachinhos com menos frizz e mais brilho. Façam esse teste, porque ele life-changing mesmo.
  7. Camiseta de algodão for life. Demorei para aderir a essa dica de enxugar o cabelo com uma camiseta de algodão, mas gente: é maravilhoso. Sugiro que aposentem desde já uma camiseta (eu roubei uma do boy) e comecem a usar como toalha para o cabelo de vocês. Sério, diminui o frizz de um jeito que eu não achei possível.
  8. Quando tudo der errado, abrace os grampos e os prendedores. Na minha casa, tem grampo e prendedor de cabelo em tudo quanto é canto. Sério. Eles salvam a vida quando o cabelo não quer colaborar de jeito nenhum.

 

Então, essas são as minhas dicas e descobertas so far. Alguma coleguinha em transição querendo dividir dicas? Ou fazer perguntas? Comentem! 😉

Cabelo Feminices

Guia rápido da transição capilar

28 de setembro de 2015

(o cabelo acima obviamente não é meu, quando eu estiver com vontade/coragem tiro foto pra mostrar pra vocês)

Meu cabelo é cacheado e foi naturalmente assim até meus 14/15 anos, quando resolvi começar a alisá-lo. O porquê disso é resultado de uma série de fatores que as cacheadas vão entender bem: queria muito me encaixar no padrão dominante (o liso que todo mundo considerava elegante e bonito) e não sabia cuidar muito bem do meu cabelo (por isso, pensava que o mesmo era muito instável e imprevisível). Pois é. Por essas razões passei anos e anos dando progressiva no cabelo, alisando com secador/chapinha e sofrendo com o cabelo quebrado/seco/super danificado por todos esses processos. Mas, ainda assim, achando que era  muito mais fácil viver assim que aceitar o meu cabelo naturalmente cacheado.

Esse ano, li alguns posts da Gabi, do Teoria Criativa, sobre a volta dela aos cachinhos e me inspirei. Passei 6 meses sem dar progressiva, em transição capilar. Porém bati naquela velha parede que todas que entram em transição conhecem MUITO bem: lidar com as duas texturas no cabelo (a lisa e a cacheada) não era fácil. Na época, não pesquisei tão bem e nem dei muito subsídios para que o cabelo retornasse, aos poucos, à sua textura natural, o que fez com que o cabelo continuasse seco, sem vida e muito estranho. Daí terminei desistindo e tendo uma recaída na progressiva de novo. Aceitei que aparentemente aquela era a minha vida mesmo e segui.

Daí, há um mês atrás, encontrei uma amiga que estava em transição há 1 ano e alguns meses e terminei me inspirando novamente a recomeçar a transição. Dessa vez, munida de bastante informação (obrigada, amiga!) e aderindo, também, a dois processos que se mostraram essenciais pra mim: o low poo e o cronograma capilar. E, deixa eu contar pra vocês: está sendo MUITO mais fácil do que da primeira vez que eu tentei. E eu tenho certeza que esses dois processos que estou fazendo juntamente com a minha transição estão ajudando demais. Por isso, resolvi aqui fazer um guiazinho bem direto ao ponto pra quem quer entrar em transição capilar, mas não sabe nem pra onde vai. Essa aqui é só uma introdução, viu? Depois, possivelmente, entrarei mais a fundo nesse mundão complicado que é esse nosso.

FIRST THINGS FIRST 

(o que você deve saber antes de começar)

  1. Não é fácil, porque você não vai apenas mudar o seu cabelo (no caso, fazê-lo retornar ao natural dele), você vai ter que mudar a sua forma de ver o seu cabelo. Porque, acredito, havia uma razão pra você ‘alisar’ o seu cabelo antes e, geralmente, isso tem a ver com o que nós achamos do nosso próprio cabelo. Se você antes achava que cabelo cacheado era feio, vai ter que lutar não apenas com o seu cabelo em transição, mas com esse tipo de pensamento. E, além de tudo, também vai ter que lidar com comentários das pessoas à sua volta (porque você sabe que sempre tem alguém pra falar alguma coisa desnecessária, né?). Pra mim, a dificuldade maior da transição é transformar, na minha cabeça e nas dos outros, o que era considerado ‘feio’ em, apenas, ‘diferente’.
  2. Não é rápido. Transição demora, a não ser que seu cabelo cresça super rápido ou você faça o BC (big cut, que significa, simplesmente, cortar toda a parte do cabelo que tem química). Então, sim, você terá que se munir de muita paciência e esperar, porque cabelo cacheado enrola, então o crescimento é ainda mais difícil de ver.
  3. Você não é obrigada. Não é porque você nasceu com o cabelo cacheado que você PRECISA ter o cabelo cacheado, ok? Não se sinta na obrigação de fazer um processo tão difícil quanto a transição só porque ‘todo mundo está fazendo’ se você gosta de ter o cabelo liso e não vê problema em fazer progressiva/relaxamento para conquistar o cabelo do jeito que você quer. Vai do gosto de cada um, então lembre-se que o cabelo É SEU e você faz o que você quiser nele, ok? Ok.
  4. Você precisa se informar. Acho que antes de fazer qualquer coisa, a gente deve se munir de MUITA informação sobre assunto em questão. Foi nisso que eu falhei da primeira vez que eu tentei fazer transição e o processo está muito mais tranquilo, agora que eu tenho mais conhecimento de causa. Então busque todas as informações que for possível. Eu indico grupos para onduladas/cacheadas/crespas, blogs sobre o assunto e Youtubers. No meu caso, os grupos de No/Low Poo também me ajudaram muito.

 

 INICIANDO A TRANSIÇÃO

(como fazer, o que fazer)

  1. Primeiro, pare de fazer qualquer coisa que esteja alisando o seu cabelo. Por razões óbvias, você não pode dar mais progressiva no seu cabelo, se quer que ele volte pra forma natural dele. É uma boa ideia também parar com escova/chapinha, pois apesar dos processos não promoverem um alisamento permanente, eles ajudam os fios a perderem seu formato natural e danificam o cabelo.
  2. Procure uma maneira de tratar melhor os seus fios. Eu indico, de coração, a técnica Low/No Poo e o cronograma capilar, mas obviamente você deve buscar o que funcionar pra você. Só digo que, gente, tô há pouco menos de um mês no Low Poo e meus cabelos estão MUITO mais saudáveis, não tem comparação! Também estão muito mais fáceis de texturizar, o que é um bônus maravilhoso. Já o cronograma capilar serve para recuperar cada cabelo de acordo com as necessidades dele e também tem ajudado bastante meus fios a se mostrarem mais bonitos, fortes e brilhantes. Como não abordarei em profundidade esse assunto aqui no post, fica a dica de textos ótimos da Aninha, do Madly Luv, sobre o Low Poo e o Cronograma Capilar.
  3. Descubra as melhores maneiras de texturizar o seu cabelo. Tem vídeo de tuia, no Youtube, sobre maneiras de criar cachos a frio. No meu, atualmente, eu não faço nada muito elaborado, só passo creme, penteio e amasso bastante. Entretanto, você vai descobrir que existem várias técnicas, simples e complicadas, que entregam resultados diversos. Vale checar e testar várias, para definir bem qual vai encaixar melhor com o seu cabelo e na sua rotina.
  4. Escolha os produtos de acordo com a sua necessidade. Cada tipo de cabelo tem um tipo de necessidade. Um cabelo cacheado requer, provavelmente, um creme de pentear diferente de um cabelo crespo, que também não vai ter muito a ver com o que precisa um cabelo ondulado. Portanto, pesquise bem  e teste, teste, teste até achar o creme que vai responder ao que você necessita. Acredito que uma cacheada com o meu tipo de cabelo (2C, 3A) vai precisar de: shampoo, condicionador, máscara de tratamento (algumas), algum creme/gel para finalizar o cabelo e talvez algum óleo. Claro que tudo isso pode mudar, por isso que a chave é pesquisar MUITO e, também, testar no seu cabelo.
  5. Defina suas musas inspiradoras. De forma geral, acompanhar várias cacheadas e ficar ligada nas dicas delas é legal. Porém, na minha opinião, você precisa focar em quem: tem um cabelo parecido com o seu e, dentro disso, quem tem um estilo de cabelo que casa com a sua personalidade. Ou seja: não adianta se inspirar nos looks de uma 4A (confere aqui os tipos de cabelos) se teu cabelo é 2C.  Também não adianta colocar como musa alguém que tem um estilo de cabelo muito diferente do que o que você almeja. Se você ama volume, procure alguém que ame também para acompanhar e pegar as dicas. É bom procurar inspiração em um tipo de cabelo compatível com o seu, para não ter frustração por não conseguir resultado.

DICAS DA MANDY

(coisas que eu testei/recomendo)

  1. Produtos: Ainda não testei muitos produtos (como eu disse a vocês, comecei recentemente o processo de transição), mas já descobri algumas coisas que funcionam no meu cabelo. Um creme que eu testei e achei SENSACIONAL foi o Milagre Diet, da Lola. Ele vem em um pote, com 400g e a proposta é direcionada para as meninas em transição, o que eu acho que faz toda a diferença.  Ele ajuda DEMAIS a definir os cachos/ondas e segura a definição como ninguém! Só que precisa dosar a quantidade, senão fica pesado e muito duro (a ponto de você não conseguir amassar o cabelo depois e desfazer o ‘efeito molhado’). Também gostei demais do condicionador Perfeitamente (Des)arrumado, da Tresémme. Usei como condicionador e finalizador (sim, gente, vocês podem usar condicionador como finalizador. Aprendam e libertem-se) e o cabelo ficou super macio e cheiroso. O único ponto negativo é que o poder de definição dele não é tão bom quanto o do Milagre Diet. Atualmente, estou usando várias máscaras de tratamento diferentes, mas a que eu mais gosto é da Humecta, da Head and Shoulders, porque hidrata sem pesar e tem um cheirinho ótimo.
  2. Técnicas de Finalização: As únicas que testei, até agora, foram a fitagem e o dedoliss e a que funcionou melhor comigo foi a primeira. Acho, inclusive, que todo mundo gosta mais da fitagem, porque é mais prática e rápida. Atualmente deixo o cabelo secar ao ar livre depois da fitagem, mas ouço falar que secar com o difusor ajuda bastante a definir os cachos. Ainda não tenho difusor, então não sei dizer.
  3. Acessórios: Sou bff dos grampos, porque eles realmente salvam quando o cabelo não quer colaborar. Faixinhas também são amor, mas ainda não consegui adicionar ao meu dia-a-dia, porque sempre acho que estou chamando muita atenção e não consigo usar (ai, ai).
  4. Canais no Youtube: Finalmente entrei na vibe do Youtube (todos dizem aleluia) e acho que não tem nada mais prático do que vídeos quando a gente tá falando de cabelo, maquiagem e coisas do tipo, né? Portanto, não tenho sites pra indicar pra vocês, só canais, já que está sendo aí mesmo que eu tô adquirindo todas as informações que eu preciso. Alguns dos canais que eu vou indicar têm blog (não sei dizer se todos têm), então quem preferir a informação por escrito, pode checar direitinho. Na categoria cabelo cacheado, acho os seguintes canais muito instrutivos: Daianne Possoly, Duda Fernandes, Mari Morena (♥), Nathalie Barros e Rayza Nicácio. Conforme o coraçãozinho mostra, o meu canal favorito atualmente é o da Mari Morena. Acho os vídeos da Mari muito mão-na-roda pra quem tá iniciando os trabalhos cacheados e não sabe bem pra onde ir. Ela explica tudo bem direitinho, gosto demais.

MINHAS INSPIRAÇÕES

(onde eu almejo chegar)

Fotos: Pinterest

Fotos: Pinterest

Lindos demais, né? O meu cabelo ainda vai demorar bastante pra chegar aí (essas ondinhas sempre demoram pra crescer) e ainda vão ter muitas tesouradas no caminho para tirar a química (aos poucos, porque não tenho culhões pra BC), mas o que importa é aproveitar a jornada, né? <3

Curtiram o post? Têm alguma dica ou dúvida? Deixa aí nos comentários! (: