Amanda Arruda - Lifestyle, Decoração, Livros e Feminices - Página: 12
Da rotina

O que eu faço quando estou esgotada

Créditos: roivasepp

Créditos: roivasepp

Tem alguns momentos em que eu me sinto verdadeiramente esgotada. Truly, madly, deeply. A última vez que isso aconteceu foi, mais ou menos, há um mês atrás, quando a rotina do trabalho (que estava louca) encontrou o nosso processo de mudança (que envolve pedreiragem no fim de semana), o que resultou numa Amanda que, simplesmente, was not interested. Em nada. Não havia vontade de ler livros, ver filmes, sair com pessoas queridas, escrever no blog (ou mesmo ler blogs). O que parecia é que qualquer informação nova ia fazer aquele (des)equilíbrio (mantido a duras penas) voar pelos ares.

Geralmente, os meus momentos de esgotamento terminam quando uma das coisas que o estavam causando desaparece ou se torna menos complicada/estressante. No caso do última vez, a rotina do trabalho se acalmou um pouco e eu consegui voltar a me sentir no meu estado normal. Mas como isso demorou quase um mês para acontecer, vou dizer a vocês como lido com esse tipo de coisa, já que acredito que não seja a única a sofrer disso, principalmente nos dias atuais.

  • Eu não me obrigo a ficar bem ou a agir diferente. Quando você está esgotada, você está esgotada. Eu não me obrigo a me arrumar de manhã (embora, obviamente, saia de casa com o mínimo de decência, pra não assustar os coleguinhas na rua), não me obrigo a sair com as pessoas, não me obrigo a postar no blog. Entendo que, naquele momento, tudo o que eu preciso é tempo para descansar o cérebro, relaxar, dormir, revigorar meu eu exausto. Portanto, se eu não me sinto afim de fazer alguma coisa, eu escuto meu corpo e não faço.
  •  Coisas conhecidas são amigas. Não sei vocês, mas o desconhecido é sempre algo complicado pra mim. No geral, eu amo rotina – amo o que eu conheço e com que posso contar. Claro que mudanças são bem-vindas e trazem muitos resultados positivos, mas (normalmente) são estressantes. Como, esgotada, eu não posso lidar com mais estresse, nesse período eu tento me ater ao que eu conheço e sei que é legal. Isso inclui ler livros que eu já conheço (e amo), reassistir filmes ou séries que têm um lugarzinho especial no meu coração ou ir apenas naqueles lugares que eu sei que vou comer coisas gostosas. No meu período de cansaço extremo, reli O Diabo Veste Prada (e já quero reler de novo) e reassisti Sex and The City (apenas amor).
  • Tentar se liberar da sobrecarga é essencial. Há momentos em que você simplesmente tem que lidar com tudo aquilo que chega pra você e não tem outra opção mesmo. Porém, há momentos em que a sua sobrecarga é opcional (talvez, até, resultado de uma impossibilidade de delegar tarefas). Reveja o porquê de você estar sobrecarregado. De qualquer forma, ninguém deve passar muito tempo esgotado.

E vocês, gente? O que fazem quando estão se sentido extremamente cansados? Comentem!

Feminices, Pele

Gel de limpeza do amor: Dermotivin

Dermotivin Original

Fazia um tempinho que eu era fiel ao gel de limpeza para peles sensíveis da Effaclar – creio que usei esse por muitos anos, tanto porque gostava dele quanto porque amava o cheirinho suave que ele deixava na pele. Até que eu li o livro The Beauty Bible e descobri que ele, meu gel de limpeza favorito (até então) continha, no começo da sua lista de ingredientes, SLS (um ingrediente altamente irritante). Isso explicava todas as vezes que a pele perto do meu nariz descamava e porque, apesar dos meus cuidados, limpar e hidratar minha pele não parecia acalmá-la nem impedi-la de voltar sua fúria oleosa para mim.

Desde então, estive à caça de géis de limpeza que não contivessem agentes irritantes, mas que fossem pra pele oleosa. O que, acreditem, não é uma tarefa fácil, porque as empresas de cosméticos acreditam que pra limpar pele oleosa tem que jogar todo sabão do mundo nela. E não é bem assim, né? Minha pele, por exemplo, apesar de oleosa, é sensível, e não aguenta essa agressão toda não. Além do quê tem aquele velho e bom efeito rebote, né? Limpar demais a pele faz ela produzir muito mais óleo depois (e acne, se você for propenso a isso). E acredito que isso aconteceu comigo por um bom tempo. Enfim. O fato é que pesquisei, pesquisei, pesquisei e achei o Dermotivin Original, para peles mistas a oleosas, que milagrosamente não tem nenhum ingrediente agressivo em sua fórmula (pelo menos, nenhum dos que eu conheço).

O Dermotivin é um gelzinho azul/verde que não espuma e limpa muito suavemente a pele. Tendo como ingredientes principais extratos de calêndula e aloe vera, é fácil entender o porquê desse gel de limpeza não deixar a pele esticando depois: ele hidrata enquanto limpa, deixando o rosto com jeitinho de limpo, mas sem exagero. O cheirinho é muito bom (embora o  do Effaclar ganhe de lavada) e suave, ficando na pele apenas enquanto você está lavando o rosto.

Com o uso, notei minha pele muito menos irritada e, também, com a oleosidade controlada. Apareceram poucas espinhas, desde então, apenas no meu período pré-menstrual (o que é de praxe) e pouquíssimos cistos (tenho uma tendência medonha para esses). De forma geral, minha pele se deu muito bem com esse produto, acredito que era realmente uma das coisas que estavam faltando na minha rotina diária.

Eu comprei uma bisnaga de 70ml, para testar, mas existem vários tamanhos disponíveis. A minha eu comprei na Drogaria São Paulo da Rosa e Silva (no Bairro das Graças, aqui em Recife) e custou cerca de R$35. A minha está quase no fim já, acredito que vá durar só até o fim do mês. Infelizmente, esse tipo de gel (que não espuma) não dura tanto quando o que espuma. Tento não exagerar na dose, coloco pouquinho, mas como não espuma, preciso colocar mais para limpar direitinho. Vou testar, depois, a opção foam desse mesmo gel (onde rola uma espuminha), para ver se dura mais um pouquinho que esse.

Resumindo: Dermovitin aprovadíssimo e já totalmente inserido na minha rotina diária. E vocês, qual o gel de limpeza do coração? Conhecem algum outro sem agentes agressivos à pele? Deixem as dicas nos comentários!

Livros & Outros Amores

Meus livros de Yoga

Meus livros de Yoga

Depois de passar semanas sem dormir e morta de ansiedade (sem nenhuma razão aparente), resolvi que ia fazer algo pra mudar essa situação, já que nada dava certo. Foi então que comecei a fazer meditação e Yoga por meio de aplicativos no celular, me apaixonei e resolvi mergulhar fundo. Desde então, minhas noites têm sido bem mais reparadoras e minha coleção de livros sobre o assunto têm crescido consideravelmente. E aí pensei em mostrar os livros que eu tenho para vocês, pro caso de vocês não saberem nem por onde começar (como eu, há alguns meses atrás). Gosto de todos os que tenho e todos são úteis, de formas diferentes. (:

Buda: Ao começar a estudar a filosofia e o estilo de vida da Yoga, me interessei por saber um pouco mais da história de Buda. Nesse livro, Osho fala um pouco sobre como Buda trilhou o seu caminho rumo à iluminação, como ele viveu e o que ele ensinou. As histórias, em sua maioria, têm um quê de poético e não devem ser tomadas ao pé da letra. É uma leitura bem interessante para quem nunca leu nada sobre e é curioso em relação a isso.

Autoperfeição com Hatha Yoga: Meu primeiro livro de Yoga – e uma indicação da maravilhosa Camile – e o que eu mais gosto de todos esses.  Ele realmente nos dá uma noção do todo, abrangendo todos os pontos nos quais a Yoga pode melhorar a sua vida. Tem capítulo sobre hábitos diários, sobre alimentação, sobre posturas, sobre respiração, sobre meditação, etc. É um livro muito completo e indico fortemente a leitura pra quem tá começando e precisa de um “guia”. Essa mesma editora também publicou uma edição nova de Yoga para Nervosos, que está na minha lista de compras futuras.

Yoga para Ansiosos: Yoga para ansiosos é um livro maravilhoso pra quem está começando também – principalmente se você, como eu, procurou esse caminho por conta da ansiedade. A Yoga é um caminho para o autoconhecimento e esse livro incentiva justamente isso. Tem vários espaços para preencher no livro, fazendo da leitura, realmente, uma jornada de descoberta de si mesmo.

Ioga para fazer em casa: O meu segundo livro favorito desses todos. Ioga pra fazer em casa traz tudo em detalhes, como se vê em Autoperfeição com Hatha Yoga, mas ainda com o plus de gráficos e imagens legais. Ele também têm treinos de tempos diferentes (20, 40 e 60 minutos), divididos por grau de dificuldade (iniciante, intermediário e avançado) – o que é uma mão na roda pra quem não sabe como combinar as posturas.

Ayurveda – Saúde e Longevidade na Tradição Milenar: E claro, como a curiosidade não tem limites, também decidi aprender um pouco sobre Medicina Ayurvédica, que está intrinsecamente ligada com a Yoga. Segundo a Ayurveda, o centro da nossa saúde está no nosso intestino (ou seja, um intestino feliz faz um corpo feliz) e, assim sendo, na nossa alimentação. Então, basicamente, o que ingerimos é que vai dizer se vamos ignorar aquela gripe que todo mundo tá pegando ou vamos entrar no bonde dos resfriados. Ela também defende que a nossa forma de lidar com o mundo também pode fazer aflorar doenças na gente. É um campo bem interessante de se estudar. Pra quem tem interesse no assunto, o livro é bem instrutivo e ótimo pra se ter como referência.

E aí, o que acharam?  Esse post foi mais para apresentar a vocês algumas opções. Depois escolho alguns (talvez os meus favoritos) para fazer uma resenha mais aprofundada. Ou alguns dos que vocês se interessarem mais. Comentem e me digam se tem algum que você gostariam de mais detalhes!

Feminices, Parceiros

Glambox de Maio: NUSPACE

IMG_2808
No finalzinho do mês passado recebi a Glambox do mês de Maio, a da NUSPACE – mas a vida está tão louca e corrida com os preparativos para a mudança pro apê novo que só agora parei pra sentar e escrever sobre isso. Mas antes tarde do que mais tarde, né? Além do quê, fazendo o post agora, deu tempo de testar algumas coisas. Então vamos ao que interessa: essa caixinha rosa linda e cheia de amor!

Primeiramente, adorei terminar conhecendo mais uma loja online para comprar itens de beleza – tem tanta marca amor na NUSPACE que eu tô dando graças a Deus que o apartamento levou meus dinheiros todos, senão certamente estaria quebrada até a próxima geração. A caixinha desse mês chegou no período certinho e achei bem equilibrada (4 amostrinhas e 4 full-sizes). Só senti falta de produtinhos de cabelo, já que nessa caixa não veio nenhum. Mas sempre tem a próxima caixa, né? (:

IMG_2813 Lenços Removedores de Maquiagem + Pads Esfoliantes + Esmalte + Sabonete Facial + Protetor Solar + Lenços Removedores de Esmalte + Hidratante Corporal (Romã) + Hidratante Corporal (Óleo de Amêndoas)

Do que eu recebi, eu já havia usado os lenços da Ricca (sempre maravilhosos para remover esmalte e super práticos, por conta de seu tamanho) e o protetor da Vichy (que inclusive, como vocês puderam ver, é meu protetor diário), com a diferença que o que eu uso no dia a dia é fator 30 e esse da caixinha é fator 50 (a maravilhosidade é a mesma).

O que eu já testei e que PRECISO falar sobre são os pads esfoliantes da Belliz. Gente! O pote em que eles vêm, além de ser um luxo, ajuda a mantê-los umedecidos por mais tempo. Como nunca tinha usado pads esfoliantes, quis abrir e testar right away. E, sim, eles esfoliam pra valer. Inclusive, quem for passá-los tem que ter uma mão leve pra não sair com a cara toda vermelha depois (true story). Em mim, que não tenho tantos cravos e espinhas, não notei diferença – mas testei no bofe, que é o REI dos cravos e a pele dele deu uma melhorada visível. Então, acredito que ele seja bom pra quem sofre com cravos e quer diminuir a regularidade com que eles aparecem. Acredito que uma vez por semana seja mais que suficiente para o pad cumprir o seu papel, mas cada um sabe de si e de sua pele, né? Também vou usar, com uma regularidade menor, porque também preciso esfoliar (mas minha pele é sensível e não aguenta muita esfoliação não). (:

Os outros produtinhos ainda vou testar – fiquem tranquilos, se me apaixonar por algum, venho aqui falar pra vocês! E aí, o que vocês acharam? Tem algum produtinho que vocês conhecem e amam? Comentem!

PS: Quem ficou com vontade de assinar da última vez e não assinou: ainda tem desconto de blogayra. Coloca “Amanda Arruda” (sim, desse jeitinho, mas sem as aspas) no espacinho de cupom de desconto, lá no site da Glambox, que você consegue R$33,10  de desconto nas assinaturas! Vem que eu quero comparar caixinhas (que é parte da diversão de se assinar uma Glambox, haha!).