Instagrão

  • hey ho lets go
  • meu companheiro de bingo que me ganhou 1 ventilador casalradical
  • Umas modelos dessas bicho
  • O peixe  enxerido a foto  estranha mas ahellip
  • Tombadssima com o verde gua desse mar
  • Pisar menos no trabalhamos
  • uma manh preguiosa tem que ter caf n?
Opiniões que ninguém pediu

Lembrete

4 de maio de 2016
Foto: rrrroza

Foto: rrrroza

Eu sou uma pessoa que se cobra demais e que sempre acha que tudo o que importa pra mim precisa ser perfeito. Algumas áreas da vida sofrem mais dessa pressão do que outras, mas ela sempre existiu e duvido muito que um dia deixe de existir – mas, com alguma sorte, talvez ela diminua. E, assim, eu já tomo para mim todos os problemas que não são meus, porque acredito piamente que, se alguma coisa deu errado em alguma área da minha vida, deve ter sido alguma coisa que eu fiz.

Peguei trânsito pra ir pro trabalho? Deveria ter saído mais cedo, droga. O almoço deu caro e vai afetar o orçamento? Deveria ter cozinhado ontem e trazido marmita. Alguém foi grosso comigo aparentemente de graça? Com certeza tem uma razão, deve ter sido alguma coisa que eu fiz.  É uma avalanche de culpa, todo o momento, quando em muitos casos não precisamos nem devemos estar sentido essa quantidade de culpa. Algumas vezes, simplesmente, você sai no mesmo horário de todos os dias e pega trânsito. Ou simplesmente chega muito cansada em casa e não é possível cozinhar, apenas desmaiar na cama. E, sinceramente, na maioria das vezes em que alguém é grosso com a gente, o problema geralmente é essa pessoa, e não algo que nós fizemos.

Esse senso exacerbado de responsabilidade (além do fato d’eu sempre ter sido mais desenvolvida fisicamente que minhas colegas, na escola) sempre fez com que as pessoas achassem que eu sou muito mais velha do que eu realmente era. E eu meio que estou cansada disso. Eu gostaria de ter o senso de responsabilidade de uma mocinha de 25 anos (soon, 26), obrigada. Eu não quero mais ser responsável pelos problemas do mundo. Inclusive, também gostaria de abrir mão de alguns dos “meus” problemas que, na verdade, não são meus. Eu não mando no clima, no quão cansada eu vou estar quando eu chegar em casa, nos jobs que vou ter no dia, nos dramas pessoais de quem me cerca, nos humores, na variação cambial e, muito menos, na vida.

As coisas acontecem e, sim, algumas vezes eu posso até influenciar no resultado, mas nem sempre. Nem tudo. Não foi algo que fiz, toda vez. Algumas vezes foram outras pessoas que fizeram, e a culpa é unicamente delas. Algumas vezes foi a vida que aconteceu e não foi culpa de ninguém.

Esse post é mais um lembrete pra mim mesma, naqueles dias que eu estiver frustrada e com vontade de ir chorar no banheiro. Às vezes, apenas às vezes, não foi algo que eu fiz. And that the guilt is not mine to take.

  • Reply
    Kari
    4 de maio de 2016 at 13:54

    Nossa, me identifiquei absurdo. E posso afirmar, é culpa da minha mãe, rs. Desde criança, se eu ficava doente, ela dizia que era culpa minha porque eu não tinha comido direito. Se eu brigava com o coleguinha, ela já vinha me perguntando o que eu fiz para ele. Se eu chorava por causa de nota, eu que não tinha estudado o suficiente, lembra há dois meses que eu quis ir ao Playcenter ao invés de ficar em casa?
    Acabei uma adulta desse jeito, achando que todos estão sempre certos e eu estou sempre errada. Achando que minhas escolhas é que são as responsáveis por tudo de errado que acontece. Sinceramente, com 31, já não sei mais como não ser assim 🙁

    • Reply
      Amanda
      4 de maio de 2016 at 14:11

      Hahahaha, segunda pessoa falando que a mãe é culpada. Sei lá, claro que a criação influencia, não há dúvidas. Mas acho que uma parte desse drama vem da gente mesmo. Tem gente que recebe pressão e reage 0 e tem gente, como a gente, que reage tudo o que tem pra reagir – e até o que não tem também.

  • Reply
    Maki
    5 de maio de 2016 at 12:45

    Amanda, isso que você falou é MUITO importante. A real, mesmo, é que a gente não tem culpa de nada. A culpa é uma invenção da nossa cabeça pra justificar um monte de coisas que fazem a gente se sentir mal. Tipo você não ter cozinhado e pagar caro num almoço. A gente tem sempre que lembrar de dar um bom e sonoro ‘foda-se’ pro que a gente pensa e não se deixar levar por essa avalanche de culpa. E é isso mesmo, a gente compra culpa que não é nem nossa! Não dá pra viver assim… A gente tem que se lembrar sempre que tá tudo bem, tá tudo certo e ninguém tem culpa de nada.

    • Reply
      Amanda
      10 de maio de 2016 at 13:47

      Bem por aí mesmo, mulher. Não dá pra carregar toda a culpa do mundo nos ombros, uma hora dá ruim.

  • Reply
    Kaka Farias
    9 de maio de 2016 at 15:18

    Amanda, esse lembrete pra ti mesma, funciona muito bem pra mim e pra um montão de gente que adora pegar a culpa que não é sua. Me identifiquei muito, e acredito de maneira muito otimista que só o fato de tu escrever e se sentir mais leve, e eu ler e me sentir da mesma forma, já é um caminho pra que essas coisas que não nos pertencem fiquem cada vez mais longe! :*

    • Reply
      Amanda
      10 de maio de 2016 at 13:52

      Que bom, Kaka! Espero que seja assim também, porque desse jeito não dá, né?

Leave a Reply