Instagrão

  • All blue outfit
  • s h i n e
  • grossianes sim maravilhosas tambm
  • Juba para combinar com esse solzo em selfiany
  • alltime favorites
  • Comemorando a chegada da sexta com quem escuta meus resmungoshellip
  • Fui obrigada a cometer este cupcake por motivo de forahellip
Cabelo Feminices

Guia rápido da transição capilar

28 de setembro de 2015

(o cabelo acima obviamente não é meu, quando eu estiver com vontade/coragem tiro foto pra mostrar pra vocês)

Meu cabelo é cacheado e foi naturalmente assim até meus 14/15 anos, quando resolvi começar a alisá-lo. O porquê disso é resultado de uma série de fatores que as cacheadas vão entender bem: queria muito me encaixar no padrão dominante (o liso que todo mundo considerava elegante e bonito) e não sabia cuidar muito bem do meu cabelo (por isso, pensava que o mesmo era muito instável e imprevisível). Pois é. Por essas razões passei anos e anos dando progressiva no cabelo, alisando com secador/chapinha e sofrendo com o cabelo quebrado/seco/super danificado por todos esses processos. Mas, ainda assim, achando que era  muito mais fácil viver assim que aceitar o meu cabelo naturalmente cacheado.

Esse ano, li alguns posts da Gabi, do Teoria Criativa, sobre a volta dela aos cachinhos e me inspirei. Passei 6 meses sem dar progressiva, em transição capilar. Porém bati naquela velha parede que todas que entram em transição conhecem MUITO bem: lidar com as duas texturas no cabelo (a lisa e a cacheada) não era fácil. Na época, não pesquisei tão bem e nem dei muito subsídios para que o cabelo retornasse, aos poucos, à sua textura natural, o que fez com que o cabelo continuasse seco, sem vida e muito estranho. Daí terminei desistindo e tendo uma recaída na progressiva de novo. Aceitei que aparentemente aquela era a minha vida mesmo e segui.

Daí, há um mês atrás, encontrei uma amiga que estava em transição há 1 ano e alguns meses e terminei me inspirando novamente a recomeçar a transição. Dessa vez, munida de bastante informação (obrigada, amiga!) e aderindo, também, a dois processos que se mostraram essenciais pra mim: o low poo e o cronograma capilar. E, deixa eu contar pra vocês: está sendo MUITO mais fácil do que da primeira vez que eu tentei. E eu tenho certeza que esses dois processos que estou fazendo juntamente com a minha transição estão ajudando demais. Por isso, resolvi aqui fazer um guiazinho bem direto ao ponto pra quem quer entrar em transição capilar, mas não sabe nem pra onde vai. Essa aqui é só uma introdução, viu? Depois, possivelmente, entrarei mais a fundo nesse mundão complicado que é esse nosso.

FIRST THINGS FIRST 

(o que você deve saber antes de começar)

  1. Não é fácil, porque você não vai apenas mudar o seu cabelo (no caso, fazê-lo retornar ao natural dele), você vai ter que mudar a sua forma de ver o seu cabelo. Porque, acredito, havia uma razão pra você ‘alisar’ o seu cabelo antes e, geralmente, isso tem a ver com o que nós achamos do nosso próprio cabelo. Se você antes achava que cabelo cacheado era feio, vai ter que lutar não apenas com o seu cabelo em transição, mas com esse tipo de pensamento. E, além de tudo, também vai ter que lidar com comentários das pessoas à sua volta (porque você sabe que sempre tem alguém pra falar alguma coisa desnecessária, né?). Pra mim, a dificuldade maior da transição é transformar, na minha cabeça e nas dos outros, o que era considerado ‘feio’ em, apenas, ‘diferente’.
  2. Não é rápido. Transição demora, a não ser que seu cabelo cresça super rápido ou você faça o BC (big cut, que significa, simplesmente, cortar toda a parte do cabelo que tem química). Então, sim, você terá que se munir de muita paciência e esperar, porque cabelo cacheado enrola, então o crescimento é ainda mais difícil de ver.
  3. Você não é obrigada. Não é porque você nasceu com o cabelo cacheado que você PRECISA ter o cabelo cacheado, ok? Não se sinta na obrigação de fazer um processo tão difícil quanto a transição só porque ‘todo mundo está fazendo’ se você gosta de ter o cabelo liso e não vê problema em fazer progressiva/relaxamento para conquistar o cabelo do jeito que você quer. Vai do gosto de cada um, então lembre-se que o cabelo É SEU e você faz o que você quiser nele, ok? Ok.
  4. Você precisa se informar. Acho que antes de fazer qualquer coisa, a gente deve se munir de MUITA informação sobre assunto em questão. Foi nisso que eu falhei da primeira vez que eu tentei fazer transição e o processo está muito mais tranquilo, agora que eu tenho mais conhecimento de causa. Então busque todas as informações que for possível. Eu indico grupos para onduladas/cacheadas/crespas, blogs sobre o assunto e Youtubers. No meu caso, os grupos de No/Low Poo também me ajudaram muito.

 

 INICIANDO A TRANSIÇÃO

(como fazer, o que fazer)

  1. Primeiro, pare de fazer qualquer coisa que esteja alisando o seu cabelo. Por razões óbvias, você não pode dar mais progressiva no seu cabelo, se quer que ele volte pra forma natural dele. É uma boa ideia também parar com escova/chapinha, pois apesar dos processos não promoverem um alisamento permanente, eles ajudam os fios a perderem seu formato natural e danificam o cabelo.
  2. Procure uma maneira de tratar melhor os seus fios. Eu indico, de coração, a técnica Low/No Poo e o cronograma capilar, mas obviamente você deve buscar o que funcionar pra você. Só digo que, gente, tô há pouco menos de um mês no Low Poo e meus cabelos estão MUITO mais saudáveis, não tem comparação! Também estão muito mais fáceis de texturizar, o que é um bônus maravilhoso. Já o cronograma capilar serve para recuperar cada cabelo de acordo com as necessidades dele e também tem ajudado bastante meus fios a se mostrarem mais bonitos, fortes e brilhantes. Como não abordarei em profundidade esse assunto aqui no post, fica a dica de textos ótimos da Aninha, do Madly Luv, sobre o Low Poo e o Cronograma Capilar.
  3. Descubra as melhores maneiras de texturizar o seu cabelo. Tem vídeo de tuia, no Youtube, sobre maneiras de criar cachos a frio. No meu, atualmente, eu não faço nada muito elaborado, só passo creme, penteio e amasso bastante. Entretanto, você vai descobrir que existem várias técnicas, simples e complicadas, que entregam resultados diversos. Vale checar e testar várias, para definir bem qual vai encaixar melhor com o seu cabelo e na sua rotina.
  4. Escolha os produtos de acordo com a sua necessidade. Cada tipo de cabelo tem um tipo de necessidade. Um cabelo cacheado requer, provavelmente, um creme de pentear diferente de um cabelo crespo, que também não vai ter muito a ver com o que precisa um cabelo ondulado. Portanto, pesquise bem  e teste, teste, teste até achar o creme que vai responder ao que você necessita. Acredito que uma cacheada com o meu tipo de cabelo (2C, 3A) vai precisar de: shampoo, condicionador, máscara de tratamento (algumas), algum creme/gel para finalizar o cabelo e talvez algum óleo. Claro que tudo isso pode mudar, por isso que a chave é pesquisar MUITO e, também, testar no seu cabelo.
  5. Defina suas musas inspiradoras. De forma geral, acompanhar várias cacheadas e ficar ligada nas dicas delas é legal. Porém, na minha opinião, você precisa focar em quem: tem um cabelo parecido com o seu e, dentro disso, quem tem um estilo de cabelo que casa com a sua personalidade. Ou seja: não adianta se inspirar nos looks de uma 4A (confere aqui os tipos de cabelos) se teu cabelo é 2C.  Também não adianta colocar como musa alguém que tem um estilo de cabelo muito diferente do que o que você almeja. Se você ama volume, procure alguém que ame também para acompanhar e pegar as dicas. É bom procurar inspiração em um tipo de cabelo compatível com o seu, para não ter frustração por não conseguir resultado.

DICAS DA MANDY

(coisas que eu testei/recomendo)

  1. Produtos: Ainda não testei muitos produtos (como eu disse a vocês, comecei recentemente o processo de transição), mas já descobri algumas coisas que funcionam no meu cabelo. Um creme que eu testei e achei SENSACIONAL foi o Milagre Diet, da Lola. Ele vem em um pote, com 400g e a proposta é direcionada para as meninas em transição, o que eu acho que faz toda a diferença.  Ele ajuda DEMAIS a definir os cachos/ondas e segura a definição como ninguém! Só que precisa dosar a quantidade, senão fica pesado e muito duro (a ponto de você não conseguir amassar o cabelo depois e desfazer o ‘efeito molhado’). Também gostei demais do condicionador Perfeitamente (Des)arrumado, da Tresémme. Usei como condicionador e finalizador (sim, gente, vocês podem usar condicionador como finalizador. Aprendam e libertem-se) e o cabelo ficou super macio e cheiroso. O único ponto negativo é que o poder de definição dele não é tão bom quanto o do Milagre Diet. Atualmente, estou usando várias máscaras de tratamento diferentes, mas a que eu mais gosto é da Humecta, da Head and Shoulders, porque hidrata sem pesar e tem um cheirinho ótimo.
  2. Técnicas de Finalização: As únicas que testei, até agora, foram a fitagem e o dedoliss e a que funcionou melhor comigo foi a primeira. Acho, inclusive, que todo mundo gosta mais da fitagem, porque é mais prática e rápida. Atualmente deixo o cabelo secar ao ar livre depois da fitagem, mas ouço falar que secar com o difusor ajuda bastante a definir os cachos. Ainda não tenho difusor, então não sei dizer.
  3. Acessórios: Sou bff dos grampos, porque eles realmente salvam quando o cabelo não quer colaborar. Faixinhas também são amor, mas ainda não consegui adicionar ao meu dia-a-dia, porque sempre acho que estou chamando muita atenção e não consigo usar (ai, ai).
  4. Canais no Youtube: Finalmente entrei na vibe do Youtube (todos dizem aleluia) e acho que não tem nada mais prático do que vídeos quando a gente tá falando de cabelo, maquiagem e coisas do tipo, né? Portanto, não tenho sites pra indicar pra vocês, só canais, já que está sendo aí mesmo que eu tô adquirindo todas as informações que eu preciso. Alguns dos canais que eu vou indicar têm blog (não sei dizer se todos têm), então quem preferir a informação por escrito, pode checar direitinho. Na categoria cabelo cacheado, acho os seguintes canais muito instrutivos: Daianne Possoly, Duda Fernandes, Mari Morena (♥), Nathalie Barros e Rayza Nicácio. Conforme o coraçãozinho mostra, o meu canal favorito atualmente é o da Mari Morena. Acho os vídeos da Mari muito mão-na-roda pra quem tá iniciando os trabalhos cacheados e não sabe bem pra onde ir. Ela explica tudo bem direitinho, gosto demais.

MINHAS INSPIRAÇÕES

(onde eu almejo chegar)

Fotos: Pinterest

Fotos: Pinterest

Lindos demais, né? O meu cabelo ainda vai demorar bastante pra chegar aí (essas ondinhas sempre demoram pra crescer) e ainda vão ter muitas tesouradas no caminho para tirar a química (aos poucos, porque não tenho culhões pra BC), mas o que importa é aproveitar a jornada, né? <3

Curtiram o post? Têm alguma dica ou dúvida? Deixa aí nos comentários! (:

  • Reply
    Evana
    28 de setembro de 2015 at 15:46

    Oi, Amanda! Estou passando pela transição capilar desde Janeiro deste ano (parei com as químicas em novembro do ano passado) e o começo foi teeeenso… mas em Maio cortei (foi um semi bc, em agosto cortei de novo) e desde então estou sendo bem feliz com meus cabelinhos. 🙂
    Sobre o low/no poo, ainda estou aprendendo, mas gostei muito do Yamasterol, que foi um pouquinho difícil de achar na minha cidade nos primeiros meses…
    Demora, mas vale a pena! Boa transição pra ti. 😉

    • Reply
      Amanda
      28 de setembro de 2015 at 15:51

      Oi, Evana! Estou feliz que estou conseguindo ondular/cachear o cabelo em transição, então não estou sentindo muito as duas texturas (que acho que é o pior, né?). Ainda não testei o Yamasterol, mas tá na fila, haha!
      Valeu pela força! <3

  • Reply
    Mari Gomes
    28 de setembro de 2015 at 17:18

    Post massa demais! Decidi entrar nessa luta também. Chapinha tá me tirando o juízo, uma perda de tempo total. Além, claro, da canseira que dá, já que eu não tenho dinheiro pra tá todo dia no salão e também porque eu tenho cabelo pra quatro cabeças. Faz tempo que venho pensando nisso, o problema era a coragem, mas decidi que no final do ano vou cortar (não bc, não tenho coragem), acho mais fácil passar por uma transição com o cabelo curto.
    Não sei exatamente qual o meu tipo de cacho. Acredito que seja o 3b – não me lembro mais como é o meu cabelo. Me arrependo muito de ter começado a usar química aos 12 anos, mas o engraçado é que fazia relaxamento para diminuir o volume, não para ficar liso. Tanto que não fazia chapinha nem escova até os 18 anos. Progressiva eu fiz duas vezes na vida e odiei o efeito espiga de milho, prefiro o relaxamento.
    Quanto ao cronograma capilar, eu já faço algo parecido há muito tempo, mesmo sem saber que tinha esse nome. Sempre fui tarada por cabelo, adoro cuidar dele (a preguiça é só de passar chapinha), deve ser por isso que não sinto ele tão ressecado e danificado como a maioria das pessoas que usa químicas muito fortes. Meu cabelo tá quase sempre brilhoso e macio.
    Quanto aos no/low poo, eu não conhecia, fomos apresentados agora há pouco. Ontem passei a noite lendo e pesquisando sobre isso. Claro que me encantei, né? E já fiz uma lista de produtos pra comprar. Não posso deixar de mencionar o Yamasterol que a Evana comentou aqui. Esse produto é mais velho que a estrada e eu usava muuito quando era criança. Agora voltou a moda. O que é ótimo, porque é bem baratinho. Pelo menos costumava ser.
    Acho que, pela quantidade e pelo volume do meu cabelo, terei muita dificuldade de abolir o relaxamento. Mas conheço pessoas que fazem relaxamento somente para diminuir o volume, sem esticar o cabelo com o pente, sabe? E dá super certo. Conheço uma menina, inclusive, que vai na mesma cabeleireira que eu, que nem sequer escova ou chapinha ela passa. Faz o relaxamento e vai embora com o cabelo molhado mesmo, com os cachos, só que com bem menos volume. Não sei, vamos ver.
    Eu só sei que quero muito me libertar, porque estou me sentindo presa. O que é bem engraçado se você parar pra pensar: a gente empurra química que só no cabelo achando que vai ficar livre de trabalho, mas a verdade é que o trabalho dobra.

    Adorei esse post, beijos!

    PS.: Meus comentários são sempre uma enciclopédia ^^

    • Reply
      Amanda
      28 de setembro de 2015 at 17:23

      Oi, Mari!
      Boa sorte nessa empreitada, que a gente sabe que não é fácil, né? Acho que, se eu fosse você, descobria primeiro o teu tipo de cabelo (quando ele crescer natural), antes de relaxar. Assim você consegue ver como ele vai se comportar. Também acho que o volume que teu cabelo vai ter depende muito do tipo de finalização que você vai fazer, dos produtos que você vai usar, etc etc. Se puder, dá uma chance pro teu cabelo natural! Quem sabe o que pode acontecer?

      Beijinhos!

    • Reply
      Mayara
      30 de setembro de 2015 at 09:56

      Mari, tem umas finalizações muito boas para quem não gosta de volume.
      Aqui um vídeo com uma delas: https://www.youtube.com/watch?v=XYNvWQdmi1s
      A fitagem estruturada tira ainda mais o volume: https://www.youtube.com/watch?v=FkFXD7ZZ1h0
      Te aconselho a conhecer seu cabelo primeiro, com Amanda sugeriu, vendo como ele reage perante diferentes produtos e finalizações. Quem sabe então você acabará não precisando fazer relaxamento =)
      Beijão

  • Reply
    iana lua
    28 de setembro de 2015 at 22:18

    gente, que post super mega útil!! nunca alisei meu cabelo, mas também nunca cuidei dele levando em conta o óbvio fato de que ele é cacheado! você me abriu os olhos pra um monte de coisas que eu faço que não condizem com o meu tipo de cabelo. amei! já tô ansiosa pra começar a cuidar dele de verdade. :**

    • Reply
      Amanda
      19 de abril de 2016 at 17:46

      Oba, que legal, Iana! Acho que falta mesmo essa ~educação~ em relação aos cabelos cacheados. Mas antes tarde do que nunca, né? (:

  • Reply
    Mayara
    30 de setembro de 2015 at 08:26

    De nada, amiga 😉 hahahahahaha
    A transição é, de fato, um processo muito complicado, porque mexe demais com a autoestima da pessoa. Não é apenas cabelo. É como você se vê, como você acha que a sociedade te vê, como você se sente perante o mundo.
    É um período complicado, repleto de frustrações (especialmente se você tem um cabelo preguiçoso pra crescer, como no meu caso), de dúvidas, de momentos de raiva (especialmente se você ouvir piadinhas racistas por causa dele, como já aconteceu comigo não só uma, como várias vezes no último ano e meio), de insegurança. Mas, ao mesmo tempo, é um momento de aprendizado, de autoconhecimento, de fazer crescer o seu amor próprio.
    É difícil, mas vale muito a pena! =)

  • Reply
    Leticia
    30 de setembro de 2015 at 13:26

    quanto cabelo maravilhoso vc postou nessas fotos <3

    • Reply
      Amanda
      19 de abril de 2016 at 18:01

      Né isso? <3

  • Reply
    Renata
    4 de outubro de 2015 at 21:26

    Oi Amanda, amei o post!!
    Estou em transição há 11 meses. Agora estou sentindo a dificuldade das duas texturas porque está bem pelo meio da cabeça, sabe? Aí não tem jeito. Estou cortando aos poucos porque não tenho coragem de cortar curtinho, mas acho muito digno quem corta porque parece libertador! rs
    Estou fazendo low poo há mais ou menos 1 mês e com umectação, hidratação… Os fios estão até bons, eu acho. O problema mesmo é que vai cacheando e aí vai diminuindo mais a cada corte, fica difícil ver o crescimento, vai batendo a bad… Enfim!
    Agora que já estou em quase um ano estou mais firme de segurar o tempo. Meu cabelo deve ser o 3b e to muito ansiosa para o dia que vai ficar bom. hahahaha
    Beijos e força na peruca! 😉

    • Reply
      Amanda
      19 de abril de 2016 at 18:02

      Oi, Rê! Nossa é um trabalho essas texturas, né? O meu metade da franja tá cacheada, a outra metade tá lisa, é um Deus nos acuda. Mas sigo pensando que vai dar tudo certo e que, no fim, tudo se ajeita, haha!

  • Reply
    Débora
    5 de outubro de 2015 at 02:03

    As dicas que você passou sobre transição são super importantes. No início da decisão é tudo uma novidade, mas quando o tempo começa correr e se você não tem uma ideia fixa, pessoas para lhe oferecer dicas de como lidar com as texturas, você acaba caindo novamente em todo aquele universo. Mas vale a pena lembrar que a transição antes de mais nada é uma mudança de dentro para fora.

    Clichê de Escritora

    • Reply
      Amanda
      19 de abril de 2016 at 18:00

      Bem isso mesmo, Débora! A gente tem, muitas vezes, que lutar com a bad que bate aqui dentro mesmo. ):

  • Reply
    Luísa
    6 de outubro de 2015 at 13:23

    Me identifiquei tanto! Minha transição foi de 2 anos. Não foi difícil porque passei por ela fazendo chapinha. Não me orgulho muito disso não (hahaha)! Só no finalzinho dela que parti pra texturização… não tinha muita paciência e acabei cortando logo toda a parte com química. Comecei o low e não tive paciência (de novo) porque não tava funcionando como eu esperava. Depois de cortar fiquei alguns meses com ele natural mas acabei não gostando. Aí fiz permanente. Eu gosto dele assim agora, estou bem feliz!
    Acredito que você já tenha isso em mente, mas não custa nada repetir: tente não desistir antes de conhecer seu cabelo como ele é. Cuide dele com amor e carinho antes de tomar qualquer decisão.
    Você conhece a Claudia Montelage? Ela posta bastante no blog (http://www.eusoucrespa.com.br) mas também tem um canal no YT. Ela é um amor, gosto muito dela e do jeito que ela explica sobre os produtos, finalizações e tal… Basicamente aprendi tudo com ela! Sei lá, achei que seria legal dar a dica 🙂

    Gostei muito do post 🙂 beijos e boa sorte :*

    • Reply
      Amanda
      19 de abril de 2016 at 17:58

      Oi, Luisa! Tô aqui atrasada respondendo os comentários, mas tô aqui! Que massa saber da tua história. Ainda estou 9 meses de transição, pelas minhas contas, então tenho uma longa estrada pela frente, mas estou firme e forte na ideia. Obrigada pela dicas e pelo carinho!

  • Reply
    Carol Patrício
    6 de outubro de 2015 at 14:42

    Amanda, esse post é incrível! Eu tinha o cabelo bem cacheado quando mais nova e morria de vergonha de deixá-lo solto, não sabia como cuidar (as mulheres da família sempre tiveram cabelo liso, exceto eu) e quando criava coragem, alguém sempre tinha que tirar onda e eu ficava com vergonha… Aí uns anos atrás, eu decidi cortar curto e pintar de loiro médio, que ficou quase um ruivo, e os cachinhos sumira, agora só fica ondulado. Eu ainda uso ele só preso, ainda não sei cuidar dele direito, mas é mais preguiça minha mesmo, pq os produtos eu tenho, o difusor pra secar minha irmã comprou especialmente pra mim (e funciona mesmo!), mas ainda só deixo ele preso o tempo todo e só solto nas raras ocasiões quando faço uma escova. Agora vou ler mais mais sobre o cronograma capilar, que já tinha ouvido falar, mas nunca coloquei em prática. Obrigada pelas dicas e boa sorte!

    • Reply
      Amanda
      19 de abril de 2016 at 17:51

      Oi, Carol! Desculpa a demora pra responder esse comentário, mas né? Tô aqui! Já ouvi falar que tintura/descoloração pode influenciar no formato dos cachos, mas não creio que seja uma coisa definitiva. Se eu fosse você, mas do que o cronograma, entraria no low/no poo. É algo que me ajudou tanto que eu não sei nem o que falar, só sentir. <3

  • Reply
    Raíssa
    8 de outubro de 2015 at 15:38

    Olá!
    Eu acho cachos a coisa mais linda. Meu cabelo é um pouco ondulado e amo usar ele tanto liso quanto natural.
    Odeio esses padrões sem sentido que a mídia, ou quem quer que seja, impõe às pessoas. Odeio mesmo quando alguém vem e diz que tal coisa é mais bonita de tal jeito. Isso é muito chato!
    Então fico maravilhosamente feliz e inspirada quando vejo posts nesse estilo, de pessoas que usam o cabelo da forma que se sentem mais à vontade e não dão a mínima para opiniões alheias.
    Apoio essa iniciativa com certeza.
    Na verdade, falando em iniciativa, vim até o seu blog através de um gadget que vi em outro blog, sobre a iniciativa do “ser gentil é legal”. Coloquei até esse gadget no meu próprio blog e quis muito conhecer a autora desta iniciativa!
    Parabéns por isso e pelo blog! Estou seguindo!

    Beijão!

    • Reply
      Amanda
      19 de abril de 2016 at 17:49

      Desculpa a demora pra responder teu comentário, esse meu período foi meio off no blog, haha! Mas obrigada pelo seu comentário fofo! Também fico muito feliz ao encontrar cada vez mais pessoas assumindo seus verdadeiros eus, sem vergonha de ser quem se é! <3

  • Reply
    Denise
    6 de dezembro de 2015 at 18:59

    Eu já tava amando esse blog, aí me deparo com uma postagem dessa! Sim, é desse jeitinho mesmo. Muitas coisas que você falou eu citei em um vídeo que fiz no meu canal. A transição se torna muito mais possível quando a gente aprende como lidar com ela. Você ainda tá em transição? Se tiver, força. O resultado é lindo e libertador. <3

    • Reply
      Amanda
      19 de abril de 2016 at 17:47

      Estou sim, Denise, e vou ficar por um bom tempo ainda (pfffff). Mas tô firme e forte, sei que o resultado vai ser a minha cara! <3

  • Reply
    Nara Ligia
    24 de março de 2016 at 12:35

    Olá gente, eu sigo a tecnica de low poo, ultima quimica que fiz foi em novembro de 2015 e decidi deixar meu cabelo voltar ao normal dele. No inicio de janeiro deixei a chapinha de lado e foi no fim de janeiro que iniciei o low poo, espero que tenham como me ajudar…
    Bem, quando vejo assuntos sobre transição e vou ler, é apenas uma alisada voltando aos seus cachos, mas o meu é diferente. Comecei a alisar devido ao volume, mas ele era apenas ondulado, então fico em duvida em TUDO. Em quais produtos usar, etc. Eu não uso prancha, nem secador, mas faço a antiga tecnica da touca de frizos. Isso interfere na minha transição? HEEEEEEEEELP

    • Reply
      Amanda
      31 de março de 2016 at 10:53

      Oi, Nara! Então, cabelos ondulados pedem creminhos mais leves, que pesem menos no cabelo. Eu indicaria, como finalizador, o creme Tô de Cacho, da Salon Line, para cabelos 2A/B/C e 3A, para trazer suas ondas de volta. E, minha opinião é que a touca não interfere em muita coisa não, embora o ideal seja que você comece a se acostumar com a textura natural do seu cabelo.
      O legal seria você dar uma olhada naqueles grupos do Facebook. Sei que tem um grupo para onduladas também (:

      Bjs!

  • Reply
    Maristela
    25 de março de 2016 at 11:14

    Ola!!! Amanda estou mega empolgada para começar minha transição. mas o que posso usar para amassar o cabelo e disfarçar a textura?

    • Reply
      Amanda
      31 de março de 2016 at 10:49

      Oi, Maristela! Pro começo da transição, indico demais o Milagre Diet, da Lola, e um difusor. Sério, difusor é vida. Esse creme ajuda demais a texturizar o cabelo e o difusor seca ele rapidinho, fazendo com que ele mantenha o padrão de curvas que o creme criou. Depois de seco, é só dar uma amassada para quebrar o ‘molde’ que o creme cria e pronto, tá mara. (:

  • Reply
    Catarina Aguiar Nascimento
    19 de abril de 2016 at 17:23

    Oi Amanda!!!
    Tudo bem?
    Primeiramente, gostaria de dizer que adorei o seu post. Foi muito esclarecedor e me inspirou bastante!
    Eu ainda não comecei a transição capilar… na verdade, apesar do post, não sei por onde começar.
    Gostaria da sua ajuda (e de todas as meninas), pois ainda não sei como identificar o meu cabelo, para de fato pensar na transição.

    Posso contar uma histórinha? rsrs
    Quando era pequena, meu cabelo sempre foi liso (liso, leia-se: não fazia nenhum cacho), mas sempre tive o fio grosso e ficava com aquele super volume.
    Na adolescência, ele começou a cachear quando molhado e depois de seco voltava a ser liso armado.
    Passou assim a maior parte da minha juventude.
    Não fiz nada de química nele até os 16 anos, quando fiz luzes pela primeira vez. Depois disso, pintei algumas vezes, até chegar na bendita progressiva.
    Por ter o cabelo muito volumoso, a progressiva sempre foi a promessa de abaixar o volume deixando o ar natural. E de fato, fazia a cada 6-8 meses para manter o volume baixo… não era necessário fazer com mais frequência para retocar a raiz, porque ela nasce lisa e enrola nas pontas (quando molhado).
    Hoje, tenho um cabelo totalmente elástico, cheio de pontas duplas (até nos fiozinhos que estão nascendo!!!! \o/), desidratado e indefinido.
    Na frente (franja) ele é totalmente liso; no comprimento, ele enrola quanto está molhado e depois de seco fica espigado; no meio do cabelo, tenho fios muito “estranhos” – dentre os fios “normais”, há muitos fios do meio, naquele miolo, os que estão nascendo principalmente, que são super grossos e parecem fio de telefone (os frizz também são assim).
    Não faço progressiva há 8 meses, mas sinto o meu cabelo muito ruim e quanto tento cacheá-lo, sempre desmancha os cachos e fica parecendo uma palha, nem liso, nem enrolado (não uso nenhum produto especifico, apenas creme de pentear com água e aquelas amassadinhas). Em relação a volume, ele não tem mais armado como antes, não sei se ainda tem efeito da progressiva ou se ele está pesado (está comprido, na altura do peito).
    Gostaria muito da sua ajuda e de quem puder, para que possa identificar o tipo de cabelo e recorrer aos melhores cuidados para ter um cabelo lindo iguais aos das fotos que você postou.

    • Reply
      Amanda
      19 de abril de 2016 at 17:37

      Oi, Catarina, tudo bom? Então, se tua raiz é lisa e mal faz cachos, creio que o teu cabelo seja um 2A ou 2B (você pode ver exemplos desse tipo de cabelo aqui: http://www.desocupadaeamae.com.br/wp-content/uploads/2014/11/TIPO-2.jpg). Primeiramente de tudo, acho que você precisa fazer um bom tratamento para trazer teu cabelo de volta à vida, independentemente da forma atual que ele tenha. Te indico fortemente começar a rotina low ou no poo e o cronograma capilar (tem posts ótimos explicando tudo isso lá no http://madlyluv.com), para reparar seus fios. Apenas com seus fios saudáveis e ‘limpos’ de químicas você vai conseguir ver qual teu tipo real de cabelo. (:

      • Reply
        Catarina Aguiar Nascimento
        19 de abril de 2016 at 17:52

        Obrigada pela resposta!!!!
        Ah, quem me dera ter um cabelo estilo Gisele! hehehe
        Acredito que ele deve estar totalmente modificado… e recuperar é o que de fato preciso!
        Vamos a batalha!!! =)

        • Reply
          Amanda
          19 de abril de 2016 at 17:59

          Ah, mas vai que você tem e não sabe? Nossos cabelos podem ser maravilhosos, é só sabermos cuidar deles! 😉
          E vamos à luta!

  • Reply
    Edjane Ferreira
    7 de maio de 2016 at 00:06

    Gostaria de receber dicas,tbem estou iniciando esta caminhada. Meus cabelos eram lindos ondulados e tinha volume,depois de tantos anos de quimica resolvi agora deixar todas as quimicas para traz e ondular novamente. Mas é necessário muita força de vontade, esta com pouquisímo volume pois fiz uma cirurgia bariatrica e sofri uma queda brusca. Me ajudem,já andei lendo q preciso me inspirar em alguém q tenha o cabelo estilo o meu, que é curto e tem pouco volume. Não qro desistir,não vai ser facil eu sei por este motivo estou pedindo todas as dicas possíveis.

    • Reply
      Amanda
      10 de maio de 2016 at 13:51

      Oi, Edjane! Adoro demais o canal do Youtube da Mari Morena, ela dá várias dicas ótimas. Também tem a Duda, do Pretty Poison, que passou pela transição e mostrou o passo a passo em seu blog. Eu, como ainda estou no caminho, não tenho muitas dicas a dar além das que já dei. Meu cabelo também está caindo muito, por conta de uma medicação que estou tomando, mas não tenho muito problema com volume ainda. Boa sorte!

Leave a Reply