Despressurize o finde: como descansar de verdade – Amanda Arruda
Da rotina

Despressurize o finde: como descansar de verdade

Despressurize

Entre as várias maravilhosas mudanças que eu notei em mim, desde que comecei a fazer yoga, definitivamente a capacidade de me desconectar é uma das melhores. Porque, sinceramente, vou jogar aqui uma realidade: a gente não foi feito pra lidar com esse volume de coisas não. É muita informação, muita interação, muitas interrogações pedindo sua atenção, muitos coleguinhas pedindo sua opinião, muito tempo perdido. A partir do momento que você desconecta, isso para de interessar. Não tô nem aí pra quem publicou um foto comigo, deixa eu sentar aqui confortavelmente no meu sofá e assistir um filminho, enroscada no meu bem. E é bem por aí.

O meu post ia ser só sobre como desconectar, mas me bateu que nem só na internet moram nossos problemas. Mesmo sem a tal da internet, muita gente ainda tem problema pra relaxar. Faz parte da nossa cultura se sentir culpado por estar de boa. Ócio, por si só, não parece correto. Mesmo no nosso tempo livre, somos impelidos por uma determinação destrutiva, de que temos que produzir, produzir, produzir. Quando a verdade é: não. Não temos não. Nós temos que descansar, porque já produzimos a semana toda e precisamos, de verdade, de um tempo pra não fazer nada.

Eu sei disso porque eu costumava fazer to-do lists ridículas de tão longas, não conseguia fazer metade do que me propunha e, claro, ficava frustradíssima no final de tudo. Mas, gente? Porque mesmo que eu tenho que ‘fazer coisas’ no fim de semana, um tempo que era pra ser livre? Porque eu tenho que ser uma pessoa produtiva, quando eu podia passar o dia maratonando uma série favorita, lendo um livro, pesquisando coisas na internet ou até, vejam que ousadia, fazendo absolutamente nada? Ninguém vai me pagar nada a mais por arrumar minha estante no fim de semana ou esfregar o banheiro. Ninguém está me obrigando a fazer isso. Logo: eu faço se eu quiser. E eu, agora, não quero.

Por isso, o que eu quero dizer é: libertem-se. Libertem-se dessa necessidade de estar fazendo alguma coisa no seu tempo livre. Aceitem o ócio. Aceitem a preguiça. Aceitem as horas sem fazer nada que vá contribuir, especificamente, para algo em sua vida profissional. A gente precisa de um tempo. É uma longa estrada – eu ainda estou bem no comecinho dela – mas totalmente vale a caminhada.

“Mas Amanda, se eu não estudar pro concurso/fazer aquele curso no sábado/trabalhar naquele freela, o que eu vou fazer no fim de semana?”. Não temais! Fiz uma listinha das coisas que eu, uma introvertida de primeira categoria, faço nos meus fins de semana despressurizados. Desligue o celular (ou coloque no silencioso), ignore aquela vozinha ridícula que diz para você adiantar os trabalhos da semana quem vem e aproveite as possibilidades:

  1. Dormir;
  2. Ler;
  3. Curtir uma praia;
  4. Cozinhar;
  5. Brincar com o cachorro;
  6. Fazer as unhas;
  7. Netflix;
  8. Yoga;
  9. Ir pra um barzinho com o amor ou as amigas;
  10. Assistir programas de culinária;
  11. Nothing at all.

Essas, obviamente, são algumas das minhas atividades de fim de semana e, certamente, vão parecer extremamente ridículas pra quem vive la vida loca. Você, que ama adrenalina e agitação, pode aproveitar seu tempo da sua própria forma.

Apenas se deixe fazer o que seu corpo pede pra que você faça. Escute seu corpo, ele sabe das coisas.

Previous Post Next Post

You Might Also Like

4 Comments

  • Reply Carol 25 de abril de 2015 at 18:49

    Abraçar esse post, pode? <3
    Eu, como louca das listas, ansiosa por natureza e adepta do multitasking, acho muito difícil simplesmente parar tudo que "tenho que terminar urgentemente!!" e quando o faço, sempre me sinto culpada, sempre rola um "nossa, eu deveria estar fazendo tal coisa mas estou aqui, deitada, assistindo netflix" e isso tudo vem me deixado tão estressada que meu corpo já começou a reclamar. Preciso mesmo seguir essas dicas, minhas séries atrasadas e livros acumulados que o digam hahah

    Um beijo!

  • Reply Lilica 25 de abril de 2015 at 20:21

    Mandy eu sou super a favor de ficar um tempo sem fazer nadica de nada! Adoro passar um sábado vendo TV, lendo, brincando com a minha afilhada…mas confesso que da Internet acho muito difícil desconectar. Até porque pra mim Internet é passatempo sabe? Fico ali de boas vendo as bobagens do Face, as fotinhos no Insta, morrendo de ir com o Twitter e jogando Candy Crush!!! 🙂

    E ó: Yoga é a melhor coisa do mundo! Assim que tiver dinheirinhos mensais entrando na minha conta vou voltar a essa atividade que amo! (Aqui em casa é bem dificil fazer Yoga porque moro em frente a uma firma que faz muuuito barulho o dia todo!)

  • Reply Rafaela Silva 25 de abril de 2015 at 21:15

    Sabe, lendo seu post pude perceber o quanto preciso desconectar. Tenho muitos livros para ler, sempre sinto que não to satisfeita com o que faço e lendo percebi que é porque acabo estragando meu tempo fazendo coisas que não são relevantes. Poderia ta cuidando de mim, lendo, assistindo filmes que faz tempo que não assisto e deixo essas coisas pra sei la, me sobrecarregar sem necessidade. Comecei a pensar sobre minha vida e foi bem legal e útil pra mim seu post, obrigada! ^^

  • Reply Patricia Leardine 8 de junho de 2015 at 19:04

    Sabe aquela expressão non fare niente? Eu aprendi há pouquíssimo tempo. Acho que a Yoga me ajudou muito nessa questão. Ainda que eu seja uma pessoa muito tranquila, sou ligada no 220 volts em relação às tarefas diárias. E sempre foi assim, desde criança uma vida cheia de tarefas, estudando coisas diferentes, planejando fazer coisas, inventando. Até que é bom, mas e na hora que a gente precisa desligar? Eu me culpava muito, como se eu tivesse que ser ativa todas as horas do dia. E pra quê, né. O descanso é tão necessário quanto a atividade. Hoje não fazer nada ficou mais fácil, mas ainda tenho meus meio minutos de loucura ativa. Escutar o corpo e o momento é a maior lição, e ainda tenho muito a aprender. Ótima dica, lindo blog.

  • Leave a Reply