Opiniões que ninguém pediu – Amanda Arruda
Browsing Category

Opiniões que ninguém pediu

Opiniões que ninguém pediu

Precisamos falar sobre Deus

foto por: betulvargun

Acho que nunca falei da minha espiritualidade aqui. Pra mim, além de um tema sensível, é também problemático porque eu mesma sentia que a minha definição em relação a isso era falha. Eu não tinha certeza do que eu pensava. Ou tinha, mas achava que, de alguma forma isso estava errado.

Eu explico: nasci e me criei católica, especialmente por influência da minha mãe, que tem sua fé muito bem aterrada e forte. Estudei todos os sábados na catequese, fiz primeira comunhão, me preparei para a crisma, me crismei, conheci meu atual marido na igreja que frequentávamos bem como fiz diversos amigos lá. Minhas crenças sempre foram presença forte na minha vida porém, a partir de um dado momento, comecei a questionar algumas coisas. Eu pensava em todos os julgamentos que as pessoas que frequentavam o mesmo local que eu faziam às pessoas. “Não pode isso, não pode aquilo, você está em pecado”. Eu mesma fui julgada algumas vezes e vi pessoas serem julgadas por apenas serem quem são ou por atitudes que tomaram de acordo com o que são. E, simplesmente, não entendia. Não entendia como um Deus que, para mim, era amor e compaixão, nos julgaria tão pesadamente por nossos erros, que são apenas humanos. Todos nós estamos aqui tentando acertar e eu tinha certeza, no meu íntimo, que Deus, que é onipotente e de tudo sabe, sabia muito bem que nós erramos quase sempre pensando que aquela é, realmente, a melhor saída. Também não conseguia conceber um Deus que rejeitava e julgava a comunidade LGBTQ, que queria as mulheres submissas aos homens, que pregava que deveríamos ficar com uma pessoa até a nossa morte mesmo que o relacionamento não estivesse dando certo de jeito nenhum. Eu discordava de tantas, tantas coisas que a minha religião pregava que acreditei que talvez, o problema estivesse com ela. Vi tantas pessoas cristãs sendo preconceituosas, radicais, extremistas que achei que provavelmente aquele não era o caminho certo. Terminei por me afastar um pouco da igreja e comecei a pesquisar outras crenças. Entretanto, meu coração não conseguia descansar em nenhuma das hipóteses que eu levantava. Nada parecia encaixar.

Segui nessa indefinição por alguns anos, eu sempre aparecendo na igreja nas datas importantes, sem conseguir cortar esse laço tão forte em mim. Sempre que ia, sentia uma energia forte em mim, uma alegria interna, e muitas vezes foi difícil segurar as lágrimas de finalmente estar lá novamente. Mas vários direcionamentos iam de encontro aos meus valores. Eu não conseguia me dissociar disso. Pra mim, Deus é amor. Deus não é vingativo. Deus tem compaixão e conhece nossas falhas e entende nossa natureza humana. Claro que temos que tentar ser o melhor que pudermos ser, mas Deus entende se, de vez em quando, a gente tropeçar e for meio otário. Gente, Deus fez a gente, ele sabe dos bugs do nosso sistema, né? Só que são tantas regras, tantas proibições, tantas ameaças de “queimar no fogo do inferno” que, realmente, não casavam com todas as vezes que eu experimentei Deus na minha vida. Não conseguia casar as duas ideias. E isso era uma fonte de muita infelicidade pra mim mesma.

Sinto dizer a vocês que vou ser um clichê ambulante (sempre fui) e direi que, apenas vendo A Cabana, no último fim de semana, me bateu real a ideia de que eu não precisava, necessariamente, concordar com tudo o que a igreja prega. E tudo bem. E vendo um vídeo da Rayza Nicácio, ontem (que segue uma religião diferente, mas parece passar por situações parecidas), tive certeza que não há como a gente concordar sempre com tudo o que uma religião diz que é lei. Somos bilhões de pessoas, com um número (graças a Deus) reduzido de ideias de como devemos seguir Deus. Haverá discordâncias. Haverá erros. As religiões são feitas por homens e, como os homens, é falha.

Tudo parece muito óbvio agora. Tão óbvio que nem posso crer porque me questionei por tanto tempo. A verdade da igreja pode ser grande, mas jamais será maior que a verdade do meu coração. Eu acredito que todos nós temos Deus dentro de nós e que podemos encontrá-lo sempre que precisarmos, se nos propusermos a escutá-lo. Também acredito que, por mais falha que uma religião seja, se ela está buscando o bem, ela é válida. É o caso da minha religião, que eu decidi, novamente, seguir. Com ressalvas, sim. Mas ainda assim, seguindo.

Porque? Porque é um dos muitos caminhos para ser uma pessoa melhor. Há vários, esse é o que eu escolhi. O meu é o melhor? Não faço ideia. Eu sou melhor que outras pessoas porque o escolhi? De jeito nenhum. Deixarei de lado meus valores essenciais por conta do que acredita a igreja, com algumas leis ridiculamente datadas? Jamais. E tudo bem. Há pessoas que me julgarão, possivelmente, mas muito pior seria o julgamento do meu próprio coração. Muito pior seria o peso na consciência que eu sentiria seguindo certos conceitos que eu não concordo e considero errados. Resolvi que, ao invés de simplesmente discordar e ir embora, eu iria concordar em discordar e focar no que a gente concorda, que é bem mais forte pra mim que nossas incongruências.

Vou seguir falando de horóscopo, fazendo sexo sem nenhuma intenção óbvia de procriar (e com camisinha, pra ser mais chata ainda), considerando pessoas que têm outras orientações sexuais como iguais (me sinto até ridícula atestando algo que é tão claramente óbvio pra mim), faltando algumas missas no domingo porque eu realmente precisava dormir e sendo o total de 0 submissa a qualquer homem que cruzar o caminho. Mas também seguirei acreditando em Deus, no seu amor por todos nós e na realidade que ele sempre nos incentiva a ser pessoas melhores. Seguirei acreditando no que tem dentro de mim, que é forte e sábio e que sempre me faz tirar o melhor das situações, aprender, conseguir seguir em frente sem desabar. Porque isso me deu e dá forças quando tudo falha e, sem Deus, eu realmente não sou eu mesma, apenas uma sombra do que eu poderia ser.

Eu nem sei bem o que me impulsionou a escrever sobre isso, mas a necessidade veio e eu escrevi. Fazia muito tempo que eu tentava ensaiar essas palavras e hoje eu decidi que iria, do jeito que fosse. Essa mensagem, esse desabafo precisa sair, precisava ganhar asas próprias e voar. Talvez como um aviso para você, amigo navegante dessa vida louca, de que tudo bem. Tudo bem se você não acha tudo certo. Tudo bem se você discorda de várias coisas. Tudo bem se você não concorda com esse monte de gente usando as crenças e o medo das pessoas para subir na vida, ganhar dinheiro, espalhar o preconceito, fazer o que bem entender. Eu também discordo e tudo bem. A gente não precisa concordar com tudo. Mas você ainda pode acreditar no que seu coração te diz, porque com ele não tem erro. A gente ainda pode acreditar no bem e que o bem nos liga a todos. A gente ainda pode crer na luz que brilha nos olhos de todos nós e que, pra mim, mostra que somos muito mais do que ossos e carne. Nada é preto no branco, mas há milhares de coisas incríveis no mundo, na natureza e dentro de nós. Sabendo olhar, a gente sempre vai achar razões para acreditar. <3

 

Amigos ateus, espero que meu post não tenha agredido vocês de alguma forma, pois jamais foi a intenção. Somos seres livres e não sou melhor do que ninguém por acreditar em Deus ou seguir uma religião.  A gente acredita e segue o que faz sentido pra gente, não existe “tamanho único” nessa história. (:

 

Da rotina, Opiniões que ninguém pediu

Sobre ansiedade, perfeccionismo e como ser o melhor não é ser feliz

Foto: Roza

Foto: Roza


“Portanto, não andeis ansiosos pelo dia de amanhã, pois o amanhã se preocupará consigo mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal.”  Mateus 6:34 

A ansiedade é uma coisa chata, não é não? Principalmente porque eu venho de uma época (sim, meu real eu tem 70 anos e acha que já pode falar coisas assim) em que ansiedade não era uma condição psiquiátrica e sim uma mera e inocente característica, como ser falante ou organizada. “Sou ansiosa”, dizia a quem quisesse ouvir, enquanto pensava sempre à frente e me sentia bem por isso. “Pelo menos, estou preparada para tudo o que pode me atingir”, eu me iludia, enquanto me preocupava com doenças que não aconteceram e notas ruins que nunca viriam. Hoje penso que não é à toa que me casei com uma pessoa que é meu total oposto, o rei da calmaria zen, que se preocupa com nada além do hoje e inicia as coisas independentemente do fato delas poderem dar errado, enquanto eu passo a vida perdida em cálculos e possibilidades, fazendo absolutamente nada, muito assustada para dar o primeiro passo em alguma coisa e não ser absolutamente magnífica nisso. A gente tem que equilibrar a nossa vida de algum jeito e que bom, que sorte, encontrar alguém para jogar diariamente na minha cara que, algumas vezes, eu sou meio desnecessária e que eu deveria me preocupar um pouco menos. Ou muito menos.

Penso que a nossa sociedade nos ensinou a ser assim. Houve uma época em que ser ansioso era simplesmente ser a pessoa que se preparava com antecedência para prova ou que checava e rechecava os trabalhos para ver se tudo estava nos conformes, antes de entregar. E eu acho que ter um nível saudável de preocupação é normal e aceitável e nos torna humanos e funcionais. Afinal, algum nível de planejamento é necessário para que possamos viver uma vida de acordo com os nossos interesses. Porém quando a preocupação é ruim o suficiente para nos fazer passar noites em claro com frequência, nos preocupando com o que já foi ou com o que vai vir, a barreira do saudável já foi mais do que transposta. E isso nos coloca entre um dos contaminados por essa pandemia chamada ansiedade que, como micróbio não supervisionado, se multiplicou rápida e sorrateiramente, de forma que todo mundo que eu conheço, praticamente, é ansioso.

No fundo, sei que isso vem da nossa necessidade de estar à frente de todos. Do perfeccionismo. Da vontade de ser o melhor, de ser o mais apto, o que vai contornar o problema da melhor maneira, o que vai vencer os obstáculos da forma mais tranquila possível. Ainda lembro das vezes que meus pais disseram que eu deveria ser a melhor, obviamente com a mais pura das intenções, querendo nada mais do que me incentivar a estudar e construir um futuro decente para mim e a família que eu haveria de ter, um dia. Porém, hoje, vejo que talvez esse não seja mais um conselho que eu dê para os meus filhos, apesar de entender o que nos levaria a fazê-lo. A realidade é que, como os meus pais (apesar do que eles falaram e do que eu acreditei anteriormente), eu não me importo, realmente, que os rebentos que eu venha a ter sejam os melhores no que eles fazem. Não me interessa que sejam super bem-sucedidos, que tenham um negócio próprio, que construam o seu nome, que deixem sua vida gravada na história do mundo. Mas pra quê tudo isso? De que adianta todas essas coisas, no frigir dos ovos? O que me importa, realmente, é que eles sejam felizes. E também não precisa se fazer uma competição disso. É só: feliz. Fazer o que estiver bom para si e para os outros. Se tratar com gentileza. Correr atrás dos seus sonhos, independentemente dos resultados. Inclusive: se despreocupe em relação aos resultados. Os resultados não são importantes agora. Viver o momento presente é que é.

Nós podemos fazer o nosso melhor, mas não temos nenhum controle sobre o que pode vir a acontecer depois das nossas ações. Simplesmente não temos. Nem sempre os nossos atos estão conectados com os outcomes. Você pode chegar cedo no banco, com todos os documentos em mãos, mas o sistema pode sair do ar e você pode não resolver nada do que esperaria. Você pode organizar uma viagem para a praia, levar em consideração todos os detalhes possíveis, mas não pode controlar o tempo. Você pode falar algo (como meus pais falaram, há anos atrás) na melhor das intenções, achando que está fazendo o maior bem para alguém, mas cada um interpreta e traduz da sua própria maneira. A gente não tem controle sobre as coisas e isso nos deixa desesperados. Nós, seres humanos, queremos ter tudo debaixo de nossas asas. Queremos garantir que cada coisinha saia de acordo com o nosso script. Mas não é bem assim que a banda toca. Deus (ou a força maior do universo, ou no que quer que você acredite – ou não) tem seus próprios planos também e, algumas vezes, não são tão simples quantos os nossos ou não tão complexos. E lições precisam ser aprendidas. Toda provação nos dá, sim, acesso a um novo conhecimento, uma clareza, uma luzinha a mais na grande escuridão de tudo que desconhecemos.

Eu nem sou tão velha assim (26 anos já dá pra dizer que é velha?), mas já passei pela minha cota de transtornos (e pelas aprendizagens que os seguem) o suficiente para saber que por pior que uma situação seja, this too shall pass. De uma forma ou de outra, o desespero não dura pra sempre. Ou acabamos com ele ou aprendemos a lidar com ele, mas ficar com a cara lisa diante da tempestade é algo que nunca vai durar muito tempo. Vamos sempre aprender, criar e transmutar, para tornamos uma situação indesejável em algo com o qual podemos lidar. Isso é algo com que podemos contar sempre. Nossa capacidade de mudar nossa realidade, uma vez presentes nela.

Acontece que, com a ansiedade, não estamos no aqui, agora. Estamos no futuro, pensando em como lidaremos em contar pra família se em algum momento das nossas vidas tivermos câncer, ou no passado, nos preocupando se deveríamos ter comido/bebido determinada coisa, pois essa coisa pode nos fazer mal. Sempre em dois tempos que não podemos tomar nenhuma ação física. Sempre longe do momento em que tudo é possível, em que nossas ações e sentimentos realmente importam. O que aconteceu não pode ser modificado, o que vai acontecer não pode ser determinado. Tudo o que o importa é o momento atual, em que podemos fazer o nosso melhor (o que significa o melhor que temos a oferecer, sem comparações com coleguinhas, sem apego aos resultados), lidando com  os problemas que realmente temos em nossas mãos, ao invés de nos preocuparmos desnecessariamente com o que sequer sabemos se vai chegar.

Eu entendo que toda essa teoria é bonita, mas que na prática o peito aperta e a gente nem mesmo sabe por que e do quê tem medo. Eu sei, porque eu também passei noites em claro e dias em angústia. Eu sei porque eu também sou uma perfeccionista que acha que nada vale a pena ser feito se não perfeitamente, mesmo que no meu consciente eu saiba que não existe nada que seja perfeito nesse mundo e que na maioria das vezes o “bom o suficiente” é mais do que o necessário. Mas eu tenho melhorado. Eu tenho revisto meus pensamentos. Tenho feito meditação. Tenho confrontado aquela voz interna que sempre pensa o pior dos outros e de nós. Ela não sou eu, eu não sou ela. Tudo bem se preocupar, mas até que ponto isso é útil? É uma pergunta válida e que sempre faço quando me sinto sufocada pelas minhas preocupações recorrentes. Algumas vezes é mais simples fazer algo em direção da resolução do problema ou, se não há problema algum (no caso das coisas que nem aconteceram) simplesmente ser gentil com nós mesmos e confiar que saberemos agir, de uma forma ou de outra, no momento adequado.

Também tenho notado minhas angústias e tenho aberto o jogo com as pessoas que se importam comigo e, agora, com vocês. Estou aqui, nesse momento, escrevendo esse texto, depois de semanas sem vontade de fazer absolutamente nada, porque eu simplesmente não conseguia me concentrar em nada, além da minha ansiedade, que estava em seu pico. Eu sabia que precisava me abrir, porque falar sobre um problema nos ajuda a entendê-lo melhor – até porque eu tenho certeza não sou a única lutando para seguir nesse barco desgovernado. Mas ação, que é bom, nada. Porém, agora, estou aqui. This is enough. Eu sabia que não podia dividir as minhas leituras do mês (que estão muito boas, inclusive) ou meus desejos para o próximo ano enquanto não abrisse o jogo sobre isso. Por que eu sei que pode ajudar não só a mim, mas aos gatos pingados que me leem aqui. Você não está sozinho nessa, amigo. Tá todo mundo mal (como diria Jout Jout), mas tudo bem, porque nada disso é pra sempre. Confie em você, confie no próximo, confie na vida, confie em Deus. Confie nessa energia que há milhares de anos vem governando a Terra e seus seres vivos. Sim, coisas terríveis acontecem e ninguém sabe muito bem o porquê. Pessoas têm que passar por provações horríveis, é verdade. Nós mesmos temos nossas próprias batalhas e monstros noturnos. Mas: há aprendizado em tudo isso. Há crescimento. Há uma pessoa melhor, a cada luta travada, a cada obstáculo vencido ou contornado. Eu falo por experiência própria que as situações ruins na minha vida sempre me ensinaram algo novo. Esperança, confiança, respeito ao próximo, paciência. Mesmo os problemas com que a gente não sabe lidar nos ensinam algo. Então, confie. Confie que, no momento em questão, você fará o melhor dentro de suas possibilidades. E isso será suficiente, do jeito que for.

Pessoal, estou aberta a responder comentários e dúvidas (como sempre), mas como sabemos sou apenas uma blogueira, não médica. Se a ansiedade estiver atrapalhando a sua vida, procurem um profissional, por favor. A ansiedade é uma doença e, como várias, podemos usar rotas alternativas para tratá-la, mas algumas vezes a tradicional é a melhor opção, ok? Fiquem bem, estamos juntos nessa ♥

Opiniões que ninguém pediu

Você escolhe as suas energias (e as do mundo)

Ontem, com a tragédia que tomou conta de todas as redes sociais e meios de comunicação, bateu aquela bad que sempre bate quando essas coisas acontecem. Logo pensei: “meu Deus, esse vai ser um dia horrível, cheio de angústia e tristeza e eu vou ver todas aquelas matérias desesperadoras sobre o acidente e morrer de medo por mim e por todas as pessoas que um dia podem se envolver em algo assim”. E eu já tinha aceitado o meu destino até vir a seguinte pergunta do fundo da minha consciência: é, mas por que mesmo? Porque que eu vou assistir a essas matérias, clicar nesses links, passar por esse sofrimento, quando eu posso facilmente não fazê-lo?

Pois é. Passei o dia fora da internet (praticamente), não liguei a TV, não assisti a noticiários. Porque a gente não é obrigado. A energia é minha e eu posso escolher não perdê-la para esse tipo de informação. É o tipo de coisa que não adiciona nada mais na nossa vida, apenas se aproveita da desgraça alheia para ganhar mais ibope e cliques. Assim que soube, mandei meus bons pensamentos e minha paz para as famílias das pessoas que foram vitimadas nessa tragédia e segui em frente. Não havia mais nada que pudesse ser feito por mim, logo não há razão lógica para continuar se envolvendo ou assistindo ao desenrolar dessa história.

Energia não dá em árvore, gente, embora a gente possa sempre dividir e multiplicar, com as pessoas e atividades certas. Isso não quer dizer que a gente deva desperdiçar as nossas com o que não nos serve. O caso que exemplifiquei acima é de uma notícia, mas isso pode servir para tanta coisa na nossa vida. Por exemplo: hoje em dia não assisto mais filmes de terror, porque me assusto e impressiono com facilidade e isso atrapalha a minha vida (e o meu sono). Eu sempre fico mal depois de um filme assim, logo qual o sentido em persistir assistindo a esse tipo de coisa? Seria um comportamento autodestrutivo, coisa que estou tentando extirpar da minha vida. Portanto, não, não assisto filmes de terror. Também evito perder meu tempo discutindo no Facebook (na verdade, isso acontece quase nunca, atualmente) ou em qualquer outra rede social, não leio comentários de portais (fica a dica, gente) e estou sempre correndo na direção contrária de qualquer situação que envolva chafundar no que há de pior da raça humana. Inclusive, resolvi não seguir assistindo Black Mirror porque me dava um sentimento ruim no fim dos episódios. Nada que te deixe pior do que você estava antes pode ser bom e por mais que eu acredite que existem alguns momentos em que o remédio é amargo, não creio que esse seja um deles.

Vocês podem dizer que eu estou tentando viver num mundo que não existe, tentando fugir da realidade. Eu digo a vocês: não. Primeiro que ninguém consegue realmente ignorar tudo, as notícias sempre chegam (como a de ontem chegou). O que eu não faço é correr atrás de mais informações de coisas que não me interessam e as quais eu não posso mudar. E, segundo, a realidade é mais do que isso. A realidade é o que nós vivemos, também, e não apenas todas as coisas ruins que acontecem no mundo. Se eu posso focar no que é bom, porque eu vou fazer o oposto? Tudo é uma questão de escolha. A gente pode dar atenção a uma pessoa que está disseminando algo negativo na internet, por exemplo, ou podemos jogar nosso holofote em alguém que está fazendo algo bacana e agregando valor às nossas vidas. Nós podemos passar o nosso tempo apontando o dedo para tudo o que tem de errado no mundo ou mostrando tudo o que ele tem de certo. É uma opção. Eu estou escolhendo, racionalmente, multiplicar a energia boa, pois creio que, de outra maneira, alimentamos a ruim, mesmo que estejamos lutando contra isso. Damos nossa atenção, perdemos nossa paz, multiplicamos o foco nessa coisa da qual não gostamos e perdemos a chance incentivar algo que faça exatamente o que queremos que seja feito. Lutar ativamente contra o mal, no meu entendimento, não é tão funcional quanto alimentar o bem.

Eu acredito de verdade que, quando mudamos nós mesmos, mudamos o mundo. Se eu cultivo uma energia positiva dentro de mim, a minha energia vai influenciar as outras pessoas e, assim, aos poucos, podemos mudar o nosso ambiente, mudando as pessoas que convivem diretamente conosco. Nós atraímos o que nós cultivamos. E isso é tudo escolha nossa.

Precisamos parar de nos vitimizar e começar a tomar as rédeas da nossa vida. Obviamente que há diversas situações que não podemos controlar, mas há opções que podem ser feitas e que não nos damos conta. Você não é obrigado a assistir notícias ruins, ler livros por prazer sobre temas que não te agradam, se envolver naquela discussão no Facebook (que você sabe que não vai dar em nada) ou seguir mantendo aquela pessoa abusiva na sua vida. Você escolhe o tipo de energia que alimenta e, assim, escolhe as que te alimentarão também. A opção é só sua. Então, da próxima vez, pule a seção de comentários das notícias. Ignore o post do colega errado no Facebook (ou melhor, dá logo unfollow/unfriend para evitar ver esse tipo de coisa novamente). Comente na foto de uma amiga, dizendo que ela está linda. Elogie verdadeiramente o projeto legal de alguém. Compre algo feito da forma que você acredita que deve ser feito. Evite o drama, alimente o bem, porque você pode. Porque isso é prerrogativa sua. Porque você é responsável pela suas próprias energias.

Opiniões que ninguém pediu

O que eu sou e outras coisas

Foto: Style by Christie

Algumas vezes acho que a vida corre rápido demais e eu estou sempre correndo atrás dela, sem saber bem o porquê. Não nos resta tempo para conhecer a nós mesmos e ao mundo que nos cerca. Estamos mergulhados até o nariz no cotidiano caótico e nos perdemos no mundo, mas nunca nos perdemos dentro de nós mesmos.

Esse fim de semana li Grande Magia, de Liz Gilbert e, gente, acho que essa mulher e eu temos uma conexão bem forte, porque os livros dela sempre geram uma catarse em mim, me iluminando e mostrando novos caminhos de um jeito que nenhum outro escritor faz comigo. Foi a mesma coisa com Comer, Rezar, Amar e não me choca que eu tenha demorado tanto para ler um livro dela novamente porque, gente, não podemos ter catarses todos os dias, simplesmente não é possível.

Grande Magia fala sobre como ser criativo, mas não é sobre isso que vim falar aqui. Na verdade, no meio do livro, a Liz lança uma pergunta sobre o que você quer fazer. O que você É. E, essa, meus amigos, era uma pergunta que precisava ser respondida por mim e, no processo da leitura, foi.

E cheguei à conclusão que, acima de todas as coisas, eu sou uma pessoa que gosta de compartilhar conhecimentos. Compartilhar coisas que eu aprendi ou que eu penso é a minha vocação. E isso, majoritariamente, acontece por meio escrito quando quero falar para um grupo maior do que 5 pessoas, porque sou tímida demais (sério, não sei falar em público) para lidar com outras maneiras de passar essas informações. E isso me fez gostar de escrever: porque é uma forma certeira de transmitir o que eu preciso para quem se interessar.

Compartilhar é minha paixão desde que me entendo por gente e muito me choca que eu nunca tenha atentado para isso. Obviamente, não é compartilhar tudo, mas coisas que me interessam e que eu acho que podem ajudar outras pessoas. Ainda lembro, quando pequena, que toda vez que eu tinha aula sobre o corpo humano e eu aprendia alguma coisa nova, automaticamente saía explicando para quem quer que se prontificasse a escutar (geralmente algum coitado da minha família que era pego desprevenido no caminho da escola) o que quer que fosse que chamara minha atenção na aula. Tanto é que, na minha família, muitas pessoas achavam que eu tinha jeito para ser professora, por conta da minha grande empolgação em compartilhar certas coisas. Pontuação da qual, hoje em dia, conhecendo muito mais o que é necessário para se ser um professor, eu discordo. Adoro compartilhar coisas, sim, mas não quer dizer que eu tenha vocação para ensinar, de jeito nenhum. Me falta a paciência (dentre muitas outras coisas), intrínseca a esse trabalho. Compartilhar conhecimento e ensinar não são, de jeito nenhum, a mesma coisa.

Eu gosto de aprender e de compartilhar. De descobrir e contar tudo para todo mundo, depois. Minha forma de resolver problemas é deixar que outras pessoas participem dele.  Eu acho que o mundo é muito mais acolhedor quando buscamos um problema na internet e descobrimos não apenas a solução, mas que outra pessoa passou pelo mesmo perregue que nós. Adoro me encontrar num livro, me identificar com uma pessoa, ver minhas características e meus dramas diários destrinchados e analisados na vida de outro alguém. E acho que, compartilhando meus próprios problemas e minhas soluções para eles, as pessoas devem se sentir de forma parecida. É como um abraço virtual, um ‘é, eu sei como é’, uma autorização para você não surtar, porque isso já aconteceu com outras pessoas e, no fim, tá todo mundo vivo.

Minha curiosidade, bem como a minha vontade de compartilhar coisas tem muito mais a ver com a vida das pessoas e seu cotidiano do que com assuntos isolados e específicos. Exemplo: tenho um vasto conhecimento em mídias sociais, já que trabalho com isso, e não me sinto impelida a compartilhar isso com ninguém. Mas já minhas quebrações de cara com a vida (por exemplo, o fato de que ainda sou incapaz de evitar o desperdício de comida na minha casa ou de que as minhas contas nunca fecham no azul) eu tenho vontade de contar tudinho a todos que quiserem escutar, porque acho que é esse tipo de conhecimento que me ajuda, de verdade, e é esse que eu quero dividir com as pessoas. Tenho absoluto amor por diários, biografias e documentários que mostram a vida das pessoas, a realidade do dia  a dia, o fato de que ninguém lembra de comprar pão e todo mundo tem que se virar uma cream cracker mesmo ou de que alguém esqueceu de descer o lixo e a cozinha tá fedendo por causa disso. Eu gosto de dividir as pequenas desgraças e alegrias do dia, porque sei que todo mundo veio sem manual de instruções e tudo o que a gente descobrir e for repassando, ajuda.

O engraçado é que nunca tinha pensado que esse poderia ser meu chamado, até ler esse livro e, finalmente, depois de me perguntar o que eu gostava de fazer, descobrir que era isso e que era TÃO ÓBVIO. E hoje eu penso que, talvez, apenas talvez, todo o nosso desespero, as nossas crises, os nossos queria-tanto-saber-o-que-eu-tô-fazendo-aqui  se devem, muito provavelmente, à nossa incapacidade de perguntar as perguntas certas, pra nós mesmos. Quantos problemas mais podemos resolver se nos perdermos dentro de nós mesmos e tentarmos escutar o que nós temos a dizer? São questões.

O mais importante de tudo (antes que você me pergunte o que eu vou fazer, agora que meu emprego não tem relação direta com o que eu amo fazer): o que eu sou não necessariamente está ligado ao que eu faço pra ganhar a vida. Estou aqui, nesse exato momento, dividindo com vocês o material que me compõe, minha principal vocação na vida. E não estou dependendo de nada pra isso. Eu posso desempenhar minha vocação de mil maneiras diferentes e isso não precisa, necessariamente, ser meu ganha-pão. Inclusive, percebi que esse é mais um ponto de contato entre mim e Liz Gilbert (chamo de Liz mesmo, porque já nos acho íntimas): ambas achamos que não há problemas em trabalhar em outra coisa diferente de sua área de criação. Sua criatividade pode, claro, pagar suas contas – mas acho que deve ser desempenhado não por isso, mas porque é a sua vocação. E você não pode ignorar o que você é, sob pena de ficar mais perdido que cego em tiroteio – o que é, na verdade, como a maioria de nós está na vida.  Então, claro, se você puder ganhar dinheiro com o que é você, na vida, maravilhoso, ótimo. Se não, seguimos criando de um lado e botando comida na mesa do outro. 0 dramas, 0 aperreios. Inclusive, essa sempre foi a minha opinião sobre o assunto, já que nós não vivemos num conto de fadas e não é porque eu descobri minha vocação com 26 anos de atraso que vão aparecer 857 contratos e jobs que vão me deixar fazer o que eu quero da vida. Talvez eu só continue criando para vocês e isso é bom. Porque eu preciso fazer isso e vou fazer de qualquer jeito. E se eu puder ter o apoio de amigos, melhor ainda.

Enfim, é isso. Agora eu sei de onde vem a minha vontade de dividir coisas com vocês e com as outras pessoas da minha vida. E vocês também podem saber o que move vocês: apenas se perguntem. Deem-se esse espaço, permitam-se escutar a resposta que vem da alma de vocês. É uma atitude simples, mas que pode, tenho certeza, incutir incríveis mudanças nas nossas vidas.